Opep diminui previsão de demanda por petróleo em 2020, devido à pandemia

Opep diminui previsão de demanda por petróleo em 2020, devido à pandemia

A Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep) comunicou nesta quarta-feira (12) que a demanda global por petróleo deverá cair mais do que previsto anteriormente neste ano. O motivo disso seria a queda acarretada pela pandemia do novo coronavírus (Covid-19). A organização também disse que uma recuperação em 2021 também é incerta.

lead suno imagem ilustrativa

Receba as principais notícias do mercado diariamente.

Receba Grátis conteúdo exclusivo sobre Poupança, Ações, Economia e muito mais!

Parabéns! cadastro feitocom sucesso.

lead suno background

Segundo estimativas informada pela Opep em seu relatório mensal, a demanda mundial por petróleo deve ter uma queda de 9,06 milhões de barris por dia (bpd) em 2020. A nova queda prevista é maior do que a de 8,95 milhões de bpd projetados há um mês.

Por causa dos impactos do coronavírus nos mercados, como medidas de restrições que deram uma pausa nas viagens e até pequenas rotas de automóveis, os preços do petróleo desabaram neste ano. Mesmo com alguns países afrouxando as medidas de isolamento social, em um movimento para que a economia volte a ser movimentada normalmente, a preocupação com um potencial novo surto do vírus tem segurado os preços.

No Suno One você aprende a fazer seu dinheiro trabalhar para você. Cadastre-se gratuitamente agora!

“O petróleo e os preços de produtos de petróleo continuarão a ser impactados no segundo semestre de 2020 por preocupações sobre uma segunda onda de infecções e pelos maiores estoques globais”, afirmou a Opep em seu relatório.

Segundo a Opep, a demanda em 2021 deve se recuperar em 7 milhões de bpd. Entretanto, a organização ressaltou que esta estimativa está sujeita a algumas incertezas que podem ocasionar “um impacto negativo sobre o consumo de petróleo”. “Quase todas previsões apontam que o combustível de aviação deve sofrer em 2021 para recuperar a demanda perdida”, informou a Opep.

Juliano Passaro

Compartilhe sua opinião