Negócios

Oi vende participação na Unitel por US$ 1 bilhão, diz jornal

0

A Oi (OIBR3) assinou a venda de sua participação de 25% na angolana Unitel por aproximadamente US$ 1 bilhão (R$ 4,17 bilhões na cotação atual). As informações foram divulgadas pelo jornal “O Globo”.

Segundo o colunista “Lauro Jardim”, na próxima sexta-feira (24) serão depositados US$ 750 milhões no caixa da Oi. De acordo com o contrato firmado, a compradora Sonangol, empresa petrolífera também angolana, pagará o restante em até 90 dias.

Em novembro de 2019, a companhia apresentou geração de caixa operacional líquida negativa em R$ 375 milhões. Sendo assim, a empresa terminou o mês com saldo final de caixa financeiro de R$ 2,3 bilhões, uma queda de 14,3% em relação a outubro.

Saiba mais: Engie investirá 750 milhões de euros em projeto no Brasil

A tele brasileira, que está em processo de recuperação judicial desde 2016, divulgou os demonstrativos de novembro de 2019 na última terça-feira (21).

A companhia anunciou que em novembro seus investimentos chegaram ao valor de R$ 596 milhões, com baixa de 32% em relação ao mês anterior. Os recebidos diminuíram R$ 106 milhões e os pagamentos tiveram uma alta de R$ 98 milhões.

O aumento é relacionado a menor compensação de créditos fiscais e ao aumento de gastos com pessoal por conta do pagamento da primeira parcela do 13º salário aos colaboradores que entraram na empresa no ano passado.

Contatada pelo SUNO Notícias, até o momento da publicação desta matéria, a Oi ainda não havia se posicionado acerca das informações divulgadas.

Oi pode captar R$ 8 bi até o final do trimestre

De acordo com os analistas do Bradesco BBI, a Oi  pode captar cerca de R$ 8 bilhões até o final deste trimestre. O cálculo já considerava a venda da participação na Unitel.

O time de analistas do banco também considera um empréstimo-ponte de cerca de R$ 2,5 bilhões, que pode ser convertido em emissão de títulos mais tarde.

“Nesse cenário, até o final do primeiro trimestre, a Oi pode ter captado R$ 8 bilhões, o equivalente a dois anos de consumo de caixa, colocando a empresa em uma situação diferente, pois a gerência passa a estar concentrada na recuperação das operações”, disseram os especialistas.

Telegram Suno

Compartilhe a sua opinião

Jader Lazarini
Jader Lazarini escreve sobre mercado financeiro, política e economia para o portal de notícias da Suno Research. Anteriormente, trabalhou na Unidas. Estuda Relações Internacionais na Universidade Anhembi Morumbi.