Negócios

Oi planeja venda de telefonia móvel para obter liquidez, diz agência

0

A Oi (OIBR3;OIBR4) poderia estar planejando vender sua unidade de telefonia móvel no Brasil, que está avaliada em US$ 4,8 bilhões (cerca de R$ 20,3 bilhões). A informação foi divulgada nesta terça-feira (24) pela agência de notícias “Bloomberg”.

De acordo com a agência, a Oi pretende obter US$ 2 bilhões em ativos considerados não essenciais e que já estariam a venda, como torres de celular e operações no exterior. Segundo a Bloomberg, empresas rivais estariam dispostas a pagar cerca de sete a oito vezes o Ebitda da unidade, já que acabariam eliminando um importante concorrente do mercado.

Segundo o BTG Pactual (BPAC11), o Ebitda da categoria móvel da Oi estaria valendo R$ 2,5 bilhões, contudo, os números oficiais não foram divulgados. Partindo desse fator, o valor a ser pago seria entre R$ 17 bilhões e R$ 20 bilhões.

Confira também: Huawei diz que não possui interesse em adquirir Oi

Ainda segundo a Bloomberg, o conselho da Oi já teria oferecido sua parte de telefonia móvel para rivais como a Telefónica (VIVT4) e Tim (TIMP3). Além das duas empresas, a norte-americana AT&T e a China Mobile estariam atentas em relação à área de celular.  A Telefónica e a Tim negaram as informações que foram noticiadas primeiramente pelo jornal “Valor Econômico”.

A Oi é a quarta maior operadora de telefonia móvel no Brasil, com cerca de 38 milhões de linhas ativas, quase metade em relação a Vivo, que é líder do mercado e tem 74 milhões de linhas ativas.

Os ratings da dívida da Oi devem ser pressionados, se a empresa não conseguir vender a participação de 25% da Unitel, maior operadora de telefonia móvel de Angola, ou obter financiamento de outras fontes, segundo a Bloomberg, que citou um relatório recente da agência de classificação de risco “Fitch Ratings”.

A SUNO entrou em contato com a Oi, que não quis comentar o assunto.

As ações da Oi (OIBR4), estão a R$ 1,55 com queda de -1,90% por volta das 16h30.

Compartilhe a sua opinião

Rafael Lara
Rafael Lara cursa jornalismo na Faculdade Cásper Líbero. Escreve sobre política, economia e negócios para o portal Suno Notícias. Antes, colaborou na TV Gazeta na produção do programa Edição Extra.