Negócios

Oi: operadora fecha venda de sede por R$ 120 milhões

0

A Oi (OIBR3) comunicou que fechou a venda de seu prédio sede, localizado em Botafogo, no Rio de Janeiro, no dia 21 de fevereiro. A operação rendeu R$ 120,5 milhões para a empresa. A informação sobre a conclusão do negócio foi divulgada nesta quarta-feira (26).

O pagamento e a transferência do prédio foram feitos na data do primeiro comunicado sobre a venda (21 de fevereiro). A Oi está em recuperação judicial e vem trabalhando para vender o máximo de ativos não estratégicos possíveis para reforçar seu caixa. A empresa está sendo coordenada por Rodrigo Abreu há aproximadamente um mês.

As duas maiores operações da Oi neste quesito foram: a negociação da angolana Unitel por US$ 1 bilhão, e a captação de R$ 2,5 bilhões por meio de títulos de dívidas.

Conclusão da subscrição de emissão de debêntures

A Oi divulgou, no início deste mês, um comunicado ao mercado acerca da conclusão da subscrição e integralização de sua emissão de debêntures simples no valor de R$ 2,5 bilhões.

Os papéis, de série única, não são conversíveis em ações e possuem uma garantia real (com uma garantia adicional fidejussória), para uma colocação privada de sua controladora Oi Móvel.

A operação fez parte do plano da empresa de trazer um alívio para seu caixa. A Oi teve geração de caixa operacional líquida negativa no valor de R$ 375 milhões, em novembro do ano passado. Assim, a empresa terminou o mês com saldo final de caixa financeiro de R$ 2,3 bilhões, uma baixa de 14,3% em relação a outubro.

Claro tem interesse nos ativos da Oi

O presidente da dona da Claro Brasil, Daniel Hajj, afirmou na última quarta-feira (12) que sua empresa está disposta a estudar ativos que a Oi possa colocar a venda. Hajj citou, principalmente, o setor de rede móvel.

“Estamos abertos para analisar os ativos da Oi. Isso envolve análise de dados e claro estamos interessados em checar e estar no processo de venda dos ativos. Esses ativos são os de rede móvel ou os assinantes da rede móvel”, afirmou Hajj durante uma teleconferência com analistas.

Telegram Suno

Compartilhe a sua opinião

Juliano Passaro
Juliano Passaro escreve sobre política, economia e negócios para o portal da Suno Research. Antes da Suno, trabalhou no Portal da Band. É formado em jornalismo pela Universidade Presbiteriana Mackenzie.