Oi (OIBR3) recebe nova proposta de Tim, Vivo e Claro, de R$ 16,5 bi

Oi (OIBR3) recebe nova proposta de Tim, Vivo e Claro, de R$ 16,5 bi
Oi (divulgação)

As operadoras TIM, Vivo e Claro comunicaram que fizeram uma nova oferta vinculante, de R$ 16,5 bilhões, pela aquisição dos ativos móveis da Oi (OIBR3). A informação foi divulgada na noite da última segunda-feira (27).

O grupo de empresas de telecomunicações que atua no Brasil já tinha feito uma oferta pela rede móvel da Oi neste mês, entretanto o valor não foi informado. A tele, que está em recuperação judicial, avalia suas redes móveis em um valor mínimo de R$ 15 bilhões.

Segundo as operadoras (Tim, Claro e Vivo), a nova oferta “endereça as necessidades financeiras do Grupo Oi, de amplo conhecimento do mercado em geral, para que este possa implementar seu plano estratégico e atender seus credores”.

Clique aqui e baixe o relatório gratuito da Oi (OIBR3).

Após a primeira oferta de TIM, Vivo e Claro, o mercado recebeu a informação de uma nova concorrente pelos negócios da Oi: a Highline do Brasil, companhia controlada pela norte-americana Digital Colony. A empresa estrangeira fez uma oferta maior do que o lance mínimo de R$ 15 bilhões.

Suno One: o primeiro passo para alcançar a sua independência financeira. Acesse agora, é gratuito!

De acordo com a Oi, a oferta da Highline foi maior do que a proposta feita pelo grupo das teles: TIM, Vivo e Claro. A americana também cobriu a proposta da operadora mineira Algar Telecom, que também está na disputa.

No comunicado divulgados pelo grupo de operadoras (TIM, Vivo e Claro), que possuem interesse nos ativos da tele em recuperação judicial, foi informado que a nova proposta “considera, adicionalmente, a possibilidade de assinarem com o grupo Oi contratos de longo prazo para uso de infraestrutura.”

Na última sexta-feira (24), o jornal “O Globo” trouxe que o grupo de empresas que possui interesse nos ativos da Oi estava planejando uma nova oferta pela operação móvel da tele.

Oferta da Highline pela Oi

A Oi informou, há quase uma semana, que fechou um acordo de exclusividade com a Highline do Brasil, pois a empresa apresentou “a melhor oferta vinculante, acima do preço mínimo estabelecido”, para a compra da operação móvel da companhia.

A estratégia da americana Highline, que possui exclusividade na negociação da operação móvel da Oi, visa obter a operação da companhia de telefonia como um todo e, depois, revender a carteira de clientes para outra operadora.

Juliano Passaro

Compartilhe sua opinião