Oi (OIBR3) deve aprovar proposta para alterar plano de recuperação

Oi (OIBR3) deve aprovar proposta para alterar plano de recuperação
A S&P elevou o rating da Oi de default para CCC+, com perspectiva estável

A proposta da Oi (OIBR3) para alterar plano de recuperação judicial, aprovado em 2017, deve ser aceita na assembleia geral de credores marcada para esta terça-feira (8), segundo apurou o Estadão/Broadcast.

lead suno imagem ilustrativa

Receba as principais notícias do mercado diariamente.

Receba Grátis conteúdo exclusivo sobre Poupança, Ações, Economia e muito mais!

Parabéns! cadastro feitocom sucesso.

lead suno background

A proposta de mudança foi anunciada em junho e prevê a venda das redes móveis, torres, data centers e parte da rede de fibra óptica da Oi, na tentativa de levantar mais de R$ 22 bilhões para pagar dívidas e viabilizar investimentos.

A empresa deverá ter pareceres favoráveis por parte da Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) e dos detentores de títulos de dívidas, disseram fontes a par do assunto. Esse segundo grupo concentra mais da metade dos votos na assembleia, posição suficiente para dar continuidade a mudança.

Conheça o Suno One, a central gratuita de informações da Suno para quem quer aprender a investir. Acesse clicando aqui.

Na visão dos acionistas, a aprovação da proposta para mudar o plano de recuperação deve gerar valorização das ações da empresa. O plano aprovado em 2017 possuía uma cláusula que permitia o voto de todos os credores em eventuais assembleias futuras.

Atualmente, os maiores acionistas da tele são os donos de títulos Brookfield Asset Management (5,92%), Bratel (5,4%) e Solus (3,47%), ao passo que o restante dos papéis da companhia está espalhado pelo mercado.

Oi enfrenta resistência dos grandes bancos

A proposta, entretanto, enfrenta oposição de grandes bancos, como Banco do Brasil (BBAS3), Itaú Unibanco (ITUB4), Bradesco (BBDC4), Santander Brasil (SANB11) e Caixa Econômica Federal. Até o últimos dias, parte dessas instituições financeiras ainda recorria para a Justiça na tentativa de barrar a assembleia.

Os bancos se queixam de que a nova mudança no plano amplia os descontos no pagamento das dívidas em relação ao anterior e leva a um conflito de interesse ao permitir o voto dos bondholders, que tiveram dívidas convertidas em ações.

O argumento, contudo, foi negado tanto pela 7ª Vara Empresarial do Rio de Janeiro, na qual se desenrola o processo da Oi, quanto pela instância superior, a 8ª Câmara Civil do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro.

Com informações do Estadão Conteúdo

Arthur Guimarães

Compartilhe sua opinião