Oi (OIBR3): Credores da tele se preocupam com oferta da Highline

Oi (OIBR3): Credores da tele se preocupam com oferta da Highline
Nova AGC da Oi deve acontecer no dia 8 de setembro e deve ser presencial

Os credores da Oi (OIBR3) estão preocupados com a oferta da Highline do Brasil, controlada da companhia norte-americana Digital Colony. De acordo com informações do jornal “O Estado de S. Paulo”, há um receio em relação à capacidade de pagamento do valor proposto. A publicação do jornal foi feita no último domingo (26).

A proposta da Highline agradou, em um primeiro momento, por estar acima do mínimo proposto pela Oi, de R$ 15 bilhões. O problema, entretanto, está em onde a empresa de infraestrutura de comunicação buscará os recursos. A Highline terá que ir ao mercado para a busca de parte do montante, que seria o maior investimento da empresa em uma outra marca em toda sua história. Sendo assim, qualquer contrariedade que houver no momento de conseguir os recursos pode atrasar o processo de venda de parte da Oi. Vale destacar que a exclusividade das negociações da Highline com a Oi se encerra no dia 3 de agosto.

A estratégia da americana Highline é obter a operação da Oi como um todo e, depois, revender a carteira de clientes para outra operadora. O objetivo da Highline é formar uma rede neutra, onde a empresa alugará a capacidade das torres da tele brasileira com contratos de longo prazo para as três maiores operadoras: Claro, Vivo e TIM.

Suno One: o primeiro passo para alcançar a sua independência financeira. Acesse agora, é gratuito!

Mesmo que, em um primeiro momento, a entrada de um estrangeiro no setor de telecomunicações viesse a agradar a Anatel, o órgão regulador poderia questionar algumas coisas como a falta de experiência da Highline em telefonia móvel ou também a potencial estratégia da empresa de alugar as frequências móveis da Oi para as outras brasileiras do setor.

Clique aqui e baixe o relatório gratuito da Oi (OIBR3).

Por outro lado, tudo indica que o Conselho Administrativo de Defesa Econômica (CADE) aprovaria o negócio da Highline com a Oi, visualizando a possibilidade de um aumento de concorrência no setor.

Juliano Passaro

Compartilhe sua opinião