Negócios

Oi pode ter suas operações distribuídas entre Claro, Vivo e Tim, diz jornal

0

A Oi (OIBR3;OIBR4) pode ter suas operações distribuídas entre as três operadoras que atuam no Brasil. A distribuição aconteceria com a permissão da Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) e provavelmente no próximo ano.

Desse modo, as operações de telefonia fixa, móvel e de infraestrutura da Oi ficariam nas mãos da Claro, Vivo (VIVT4) e Tim (TIMP3). Essa hipótese é devida aos maiores acionistas da operadora em recuperação judicial que não sinalizaram mais aporte de capital.

De acordo com as informações divulgadas pelo jornal “O Estado de S.Paulo”, para as três operadoras o plano seria muito vantajoso.

Vivo e Tim tem interesse na Oi

A Oi estaria em negociações para venda de sua telefonia móvel para a companhia espanhola Telefónica, dona da Vivo, e com a Telecom Italia, que controla a Tim Participações, para evitar uma liquidação.

Confira Também: Oi planeja venda de telefonia móvel para obter liquidez, diz agência

A Oi vem tendo dificuldades para voltar a crescer desde junho de 2016, quando entrou com pedido de recuperação judicial por conta de uma dívida de R$ 65 bilhões.

A companhia espera receber mais de R$ 10 bilhões com sua venda do segmento móvel. No dia 30 de junho, a operadora divulgou seu balanço do segundo trimestre registrando aproximadamente 35 milhões de clientes em telefonia móvel.

Segundo o plano estratégico da empresa divulgado em julho, os recursos advindos da venda seriam investidos no serviço de banda larga chamado “fiber-to-the-home“, tido como solução de volta ao crescimento para a empresa. Atualmente, a Oi tem 360 mil quilômetros de fibra no Brasil inteiro. A infraestrutura é usada por outras operadoras também.

Os representantes da Oi, Telefónica e da Telecom Italia, não quiseram comentar sobre o assunto.

Última cotação

Na última sessão, terça-feira (24), as ações preferenciais da Oi (OIBR4)registravam uma variação negativa de -1,9%, sendo cotadas a R$ 1,55. Por sua vez, as ordinárias (OIBR3) encerraram o pregão em -1,89%, negociadas a R$1,04.

Compartilhe a sua opinião

Poliana Santos
Poliana Santos escreve sobre economia e política para o portal Suno Notícias. Antes, colaborou na Rádio Gazeta AM, onde era responsável pela produção do programa Bom Dia Gazeta. É estudante da Faculdade Cásper Líbero.