Economia

OCDE reduz projeção para crescimento do PIB brasileiro

0

A OCDE revisou para baixo sua projeção de crescimento para a economia brasileira para 2019. Segundo a organização internacional, o PIB do Brasil deveria crescer 1,9%, contra os 2,1% projetados em novembro do ano passado.

Em setembro, a Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE, na sigla em inglês) previa um crescimento para o Brasil de 2,5%. Os resultados do Produto Interno Bruto (PIB) brasileiro foram publicados nesta quarta-feira (6) no relatório trimestral da organização.

Saiba mais: OCDE corta previsão de crescimento do PIB global 

Segundo a OCDE, a redução do PIB ocorreu por causa do modesto crescimento econômico brasileiro registrado em 2018, que ficou em 1,1%. Um resultado mais fraco do que a expansão de 1,2% prevista pelos economistas da instituição.

Isso produz um fator estatístico, com carregamento menor para 2019. Além disso, a OCDE analisou a evolução recente da atividade econômica, prevendo uma redução na expansão do PIB.

Em seu relatório, a organização descartou que o redução do crescimento tenha relação com as expectativas sobre os efeitos da reforma da Previdência. Ao contrário, os planos do governo Bolsonaro são julgados positivamente, assim como é considerado o tempo necessário para que o Congresso discuta sobre a reforma.

Saiba mais: Inflação na OCDE desacelera chega a 2,7% em novembro 

Mesmo com esse corte na previsão de crescimento para o Brasil, a OCDE apontou em seu relatório a possibilidade de uma recuperação moderada do País. “A melhora na confiança dos empresários, a redução de incertezas políticas, inflação baixa e melhora no mercado de trabalho vão ajudar a demanda doméstica”, escreveu a organização no documento.

Saiba mais: OCDE reduz previsão do crescimento do Brasil para 1,2% 

Segundo a OCDE, a implantação bem sucedida da agenda de reformas por parte do governo, como a da Previdência, “ainda é fundamental para uma retomada mais forte do crescimento”.

A OCDE manteve a previsão de crescimento de 2,4% do PIB brasileiro para 2020.

Redução nas previsões sobre economia mundial

A OCDE também cortou as previsões para o crescimento econômico global para 2019 e 2020. As maiores reduções do crescimento do PIB foram em países da Europa. Mas, em geral, todas as economias do G20 tiveram suas projeções de crescimento reduzidas.

Saiba mais: Paulo Guedes falou sobre ingresso do Brasil na OCDE, diz Gurria 

Segundo a OCDE a economia mundial deveria crescer 3,3% em 2019. Uma redução de 0,6 ponto percentual em relação a projeção anterior divulgada em novembro. Entre as razões para essa redução do crescimento, estão as incertezas geradas pela guerra comercial entre EUA e China e pelo processo de saída do Reino Unido da União Europeia (UE). Todos fatores que afetarão as empresas e o comércio do mundo inteiro.

Para 2020, a organização internacional prevê um crescimento do PIB mundial de 3,4%. Uma redução de 0,1 ponto percentual.

“Altas incertezas de política econômica, tensões comerciais e mais erosão da confiança empresarial e do consumidor estão contribuindo para a desaceleração”, informou a OCDE em seu relatório, “Substancial incerteza sobre a política econômica permanece na Europa, incluindo sobre o Brexit. Uma saída desordenada aumentaria os custos para as economias europeias de forma substancial”.

Segundo a OCDE, o comércio mundial “desacelerou fortemente” devido às barreiras comerciais existentes e “os novos pedidos em vários países permanecem em queda”. Para a organização, as restrições aplicadas em 2018 “pesam sobre o crescimento, o investimento e os níveis de vida, em particular das residências com baixa renda”.

Compartilhe a sua opinião

Carlo Cauti
Editor-chefe do SUNO Notícias. Italiano, formado em Ciências Políticas pela universidade LUISS G. Carli de Roma e mestre cum laude em Relações Internacionais, Jornalismo Internacional e de Guerra e em Economia Internacional. Concluiu também um MBA em Finanças na B3. No Brasil, teve passagem por veículos de comunicação como O Estado de S.Paulo, G1, Veja e EXAME. Também trabalhou nas agências de notícias italianas ANSA e NOVA.