Exclusivo: Oaktree vê recuperação com receio e espera por nova oportunidade

Exclusivo: Oaktree vê recuperação com receio e espera por nova oportunidade
Oaktree: pandemia permitiu comprar bons ativos a preços descontados

A crise causada pelo novo coronavírus (covid-19) derrubou os mercados em todo o mundo de uma forma historicamente rápida. Cerca de quatro meses depois do pico, uma recuperação tão distinta quanto a queda reavivou boa parte dos índices. Mas, nem todos os agentes do mercado estão atônitos. Para a Oaktree, gestora liderada por Howard Marks, essa melhora permanece injustificada e, por isso, deve ficar de fora para aguardar uma nova janela de oportunidades.

lead suno imagem ilustrativa

Receba as principais notícias do mercado diariamente.

Receba Grátis conteúdo exclusivo sobre Poupança, Ações, Economia e muito mais!

Parabéns! cadastro feitocom sucesso.

lead suno background

“Continuamos altamente céticos em relação à recuperação do mercado nos últimos quatro meses. Dada a vasta incerteza, acreditamos que haja outra oportunidade de compra ampla e estamos preparados para aumentar rapidamente nossa atividade de compra como fizemos em março”, disse Daniel Saieh, head da Oaktree para América Latina e Caribe em entrevista exclusiva ao SUNO Notícias.

De acordo com Saieh, a queda dos mercados em meio a crise fez abrir uma janela de oportunidades, principalmente em setores tradicionais ou que sofreram muito durante o pior momento da pandemia. “Vimos muitas oportunidades, particularmente em hospedagem e lazer, jogos, eventos, imóveis, aeroespacial, navios de cruzeiro e energia”, disse o chefe da Oaktree, que atualmente possui cerca de US$ 122 bilhões sob gestão.

Ter enxergados tais oportunidades, porém, não significa que a maior investidora em títulos de risco do mundo acredite que a recuperação econômica deve ser rápida ou em formato de ‘V’. Para a Oaktree, o suporte dos principais Bancos Centrais do planeta para manter empresas vivas ainda é restrito. Isso deve fazer com que milhares de companhias fechem em meio a pandemia, o que impactará a geração de empregos.

No Suno One você aprende a fazer seu dinheiro trabalhar para você. Cadastre-se gratuitamente agora!

“Isso manterá o desemprego alto, e essa é uma das razões pelas quais não acreditamos em uma recuperação em forma de V”, afirmou Saieh. “Em 30 de junho, o S&P 500 caía apenas 4% no ano e, no final de julho, o mercado estava positivo em torno de 1%. Os fundamentos e a economia justificam isso?”, questiona o gestor.

Mesmo com o ‘novo normal’ do mercado, a Oaktree permanece a mesma em relação a oportunidades de investimento: busca boas empresas a preços atrativos.

“Do ponto de vista do investimento, não há diferenças [entre a crise a os períodos “normais”]. Nosso trabalho como investidor em dívidas inadimplentes é o mesmo; visam comprar bons ativos a preços com desconto”, disse Daniel Saieh, head da Oaktree para América Latina e Caribe.

Confira a entrevista do SUNO Notícias com Daniel Saieh, head da Oaktree para América Latina e Caribe:

 ♦

– Vocês já passaram por alguma crise semelhante a esta do coronavírus (covid-19)? Quais são as principais diferenças entre agora e a de 2008, por exemplo?
É bem diferente. O mundo está lutando contra a maior pandemia em um século e a pior contração econômica dos últimos 80 anos. E ainda assim o mercado de ações – supostamente um medidor das condições atuais e um barômetro em relação ao futuro – foi capaz de compilar um avanço recorde e quase recapturar um recorde histórico que havia sido alcançado em um momento em que a economia estava zumbindo, as perspectivas eram positivas, e o risco de uma pandemia não havia sido registrado.

A crise financeira global de 2008 foi impulsionada por excessos de mercado, principalmente no setor imobiliário. A única coisa que o Federal Reserve (Fed, o banco central americano) precisava fazer naquela época era resgatar entidades de hipotecas subprime excessivamente alavancadas. Desta vez, é necessário diferenciar entre suporte e estímulo.

O que o Fed tem feito até agora é “suporte de vida”. Eles estão mantendo as empresas vivas. Quantas empresas e diferentes setores foram afetados? Milhões de empresas, a maioria delas pequenas empresas que não se beneficiarão dos programas do Fed e podem ter que fechar. Isso manterá o desemprego alto, e essa é uma das razões pelas quais não acreditamos em uma recuperação em forma de V.

Sem uma vacina para o Covid-19, a recuperação demorará muito. Depois de uma vacina bem-sucedida, você pode ter um pacote de estímulo que pode funcionar. A grande questão é se o Fed será capaz de continuar injetando dinheiro na economia. Até agora, o estímulo total do Fed foi de US $ 5 trilhões, igual a um quarto do PIB dos EUA.

Do ponto de vista do investimento, não há diferenças. Nosso trabalho como investidor em dívidas inadimplentes é o mesmo; visam comprar bons ativos a preços com desconto.

– Como os governos podem agir para ajudar, de alguma forma, o setor privado?
Nos últimos meses, o FED, a SEC e o Tesouro anunciaram um programa sem precedentes de estímulo, suporte, resgate e alívio regulatório. Eles continuam trazendo novas ações e expandindo o tamanho e o escopo das já existentes.

Não há razão para acreditar que haja algo que eles não façam ou qualquer magnitude que não excedam. Eu estava entre muitos que estavam preocupados há um mês com o escopo limitado do arsenal do Fed, dado que a taxa dos fundos federais era de apenas um ou dois porcento e a maioria dos programas anteriores de corte de taxas era de cerca de 500 pontos básicos.

Os investidores deram grande crédito à capacidade do Fed e do Tesouro de promover uma recuperação econômica. Os investidores se alegraram com as medidas tomadas para apoiar a economia durante o fechamento, reabri-la, colocar as pessoas de volta no trabalho e iniciar a volta à normalidade.

Todos entendem que a recuperação será gradual e talvez até acidentada – poucas pessoas estão falando sobre uma recuperação poderosa em forma de V atualmente – mas um amplo consenso desenvolvido de que a recuperação é uma coisa certa.

Há uma expectativa relacionada de que as compras do Fed podem ser menos do que discriminatórias. Ou seja, não há razão para acreditar que o Fed insiste em um bom valor, altos retornos prospectivos, forte capacidade de crédito para protegê-lo de possíveis inadimplências ou prêmios de risco adequados.

Em vez disso, seu objetivo parece ser manter os mercados líquidos e o capital fluindo livremente para as empresas que precisam. Essa orientação sugere que ele não tem aversão a preços que superestimam a realidade financeira. Todos estão convencidos de que as taxas de juros serão menores por mais tempo. Em 10 de junho, o Fed indicou fortemente que não haverá aumentos nas taxas até 2021 e possivelmente 2022.

– Entraremos em um “bear market“?
O mercado parece ter julgado o futuro. As mortes nos Estados Unidos chegaram a milhares e continuam aumentando. Os pedidos de seguro-desemprego semanais são dez vezes maiores que o recorde de todos os tempos. A economia dos EUA encolheu pela taxa mais rápida já registrada de mais de 30% no segundo trimestre.

Mas as pessoas estão animadas com a perspectiva de terapias e vacinas, e os investidores concluíram que o Fed / Tesouro vão reduzir a dor e trazer uma recuperação em forma de V. Há um velho ditado que diz “você não pode lutar contra o Fed” – ou seja, o Fed pode realizar o que quiser – e os investidores estão comprando.

O avanço começou com estrondo – um ganho de 17,6% para o S&P 500 em 24-26 de março, o maior avanço de três dias em mais de 80 anos – e em 30 de junho as ações haviam subido da baixa em quase 40%. Em 30 de junho, o S&P 500 caía apenas 4% no ano e, no final de julho, o mercado estava positivo em torno de 1%. Os fundamentos e a economia justificam isso?

– Vocês entraram forte no mercado em meio a crise de 2008. Existe a mesma oportunidade agora?
Embora os mercados públicos tenham se recuperado parcialmente, a oportunidade continua a ser grande, principalmente em títulos de dívida dos Estados Unidos líquidos e negociados publicamente. Encontramos muitas oportunidades atraentes, principalmente dívida sênior ou garantida em uma variedade de empresas de alta qualidade.

À medida que o Fed anunciava sua lista de programas de estímulo e liquidez, a janela para comprar créditos de qualidade com desconto fechou-se rapidamente, à medida que os mercados de crédito e de ações se recuperaram. Apesar dessa melhora no sentimento do mercado, há uma aparente desconexão com os fundamentos corporativos.

Muitas empresas e setores foram significativamente (e em alguns casos estruturalmente) impactados pelas condições econômicas provocadas pela pandemia. Como resultado, continuamos a encontrar uma grande variedade de investimentos em várias geografias, com a maior parte de nossa atividade recente vindo na forma de negócios de origem privada e altamente negociados.

As medidas de estímulo implementadas pelo Fed e outras agências governamentais ajudaram a alimentar o rali, mas continuamos altamente céticos em relação à recuperação do mercado nos últimos quatro meses. Dada a vasta incerteza, acreditamos que haja outra oportunidade de compra ampla e estamos preparados para aumentar rapidamente nossa atividade de compra como fizemos em março.

Nosso pipeline de negócios negociados de forma privada permanece robusto. Algumas empresas conseguiram acessar o financiamento por meio do mercado de capitais, mas outras enfrentaram mais desafios. Esses “não têm” descobriram que os mercados são menos amigáveis ​​com seus empréstimos, particularmente aqueles em setores fortemente impactados ou com balanços excessivamente alavancados.

Isso levou a um aumento significativo nas chamadas recebidas de potenciais mutuários em busca de capital de resgate de curto prazo e outras oportunidades de empréstimo direto. Vimos muitas oportunidades, particularmente em hospedagem e lazer, jogos, eventos, imóveis, aeroespacial, navios de cruzeiro e energia.

– Você acha que o pensamento de longo prazo agora é mais importante do que nunca? Afinal, os mercados devem se recuperar?
Comprar, vender ou manter? Acho que não há problema em fazer algumas compras, porque as coisas estão mais baratas. Mas não há nenhum argumento lógico para gastar todo o seu dinheiro, uma vez que não temos ideia de como os eventos futuros serão negativos.

O que eu faria é descobrir quanto você vai querer ter investido quando o fundo for atingido – seja lá onde for – e gastar parte disso hoje. As ações podem virar e seguir para o norte, e você ficará feliz por ter comprado algumas. Ou eles podem continuar caindo, caso em que você terá dinheiro sobrando (e, com sorte, a coragem) para comprar mais. Essa é a vida das pessoas que aceitam não saber o que o futuro reserva.

Entrevista com Daniel Saieh, head da Oaktree para América Latina e Caribe

Vinicius Pereira

Compartilhe sua opinião