Nota de R$ 200: Entenda porque seu lançamento não está ligado à inflação

Nota de R$ 200: Entenda porque seu lançamento não está ligado à inflação
Notas de Real disponíveis atualmente. (foto: divulgação)

Apesar da emissão da nova nota de R$ 200 levar um certo receio a muitas pessoas que viram cédulas de valores altos em uma outra época da história monetária do Brasil, a ação tomada pelo Banco Central (BC) não demonstra uma desvalorização da moeda local.

lead suno imagem ilustrativa

Receba as principais notícias do mercado diariamente.

Receba Grátis conteúdo exclusivo sobre Poupança, Ações, Economia e muito mais!

Parabéns! cadastro feitocom sucesso.

lead suno background

É compreensível a população pensar que a inflação pode ser o motivo do lançamento de novas cédulas, já que entre 1980 e 1994, antes do Plano Real, o País precisou lançar notas muito altas, como a de 500 mil cruzeiros (a maior já lançada), pois o poder de compra do dinheiro estava sendo reduzido drasticamente pela hiperinflação. O cenário, entretanto, era muito diferente do atual.

Nota de R$ 200
Poeta Mário de Andrade estampou nota de 500 mil cruzeiros, a maior já lançada no Brasil, em 1993.

Em coletiva realizada para o anúncio da nova cédula, na semana passada, a diretora de Administração do Banco Central, Carolina de Assis Barros, deixou claro que o movimento gerado para lançar uma nova nota no mercado não tinha nada a ver com a inflação e afirmou que era apenas uma ação preventiva para um possível aumento da demanda por numerário (dinheiro em espécie) por parte da população. “O Banco Central entende que a quantidade de papel moeda em circulação é adequada para fazer frente às diferentes necessidades da população. O BC tem atendido a rede bancária. Não há falta de numerários. A gente observou efeitos de entesouramento trazidos pela pandemia e não sabemos precisar neste momento por quanto tempo ele vai perdurar. O BC entende que o momento é oportuno para o lançamento dessa cédula de R$ 200”, disse a executiva.

O BC deixou claro que o lançamento não terá impacto na base monetária do País, ou seja, não será dinheiro a mais em circulação. Mesmo assim, muitas discussões foram criadas em torno do assunto. Para o mestre em controladoria e finanças, Adriano Gomes, a medida do BC é oportuna “no momento atípico da economia”. “Foram 38 milhões de pessoas que simplesmente foram esquecidas por todos os governos e que foram incorporadas ao sistema financeiro via o auxílio emergencial. Para estas pessoas, em especial, a utilização de papel moeda é parte de sua rotina e, consequentemente, ocorre a necessidade de injetar mais notas físicas para o público em geral”, disse o especialista em entrevista ao Suno Notícias.

Também no anúncio da nova cédula, a executiva do BC reiterou que “não há relação entre a colocação da nova cédula no mercado e a desvalorização do real”. Carolina afirmou que o Brasil se vale do sistema de metas para combater a inflação e, neste momento, a inflação do Brasil é “baixa, estável e as expectativas do BC estão ancoradas”.

Apesar de concordar com a fala da executiva sobre a inflação, Gomes diz que o argumento colocado pelo BC como base para este anúncio, que é o fenômeno do entesouramento, não explica o caso. “Tanto faz alguém sacar da poupança R$ 1.000 em 10 notas de R$ 100 ou 5 de R$ 200 e levar para debaixo de seu colchão; entesourando o valor. A questão aqui é mais de “logística monetária” que qualquer outra hipótese. Há mais demanda por papel moeda e invés de se imprimir duas notas de R$ 100, imprime-se uma de R$ 200″, explicou o mestre em controladoria e finanças.

Muitos jornalistas também perguntaram, no dia da coletiva sobre o lançamento da nota, se o Banco Central estava indo na contramão dos outros países do mundo, que cada vez mais focam no digital. Para Gomes, o BC não está na contramão. “Fez [o BC] uma das mais importantes ações no campo das transferências eletrônicas do mundo que é o PIX [sistema de pagamentos que permite transferências em tempo real]. Ocorre que ainda temos uma fatia enorme da população que é “desbancarizada” e, pior, eram invisíveis para o Estado. A pandemia escancarou este problema e o Estado com seu braço bancário, a Caixa Econômica Federal, alcançou em tempo recorde uma população equivalente a da Polônia”, afirmou o especialista.

A nova estampa e o lançamento da nota de R$ 200

O desenho da nova nota de R$ 200, que será lançada ao final deste mês, ainda não foi divulgado pelo Banco Central. Sabe-se apenas que o animal que estampará o papel será o Lobo Guará. O BC informou, através do Twitter, há uma semana, que o design da cédula será apresentado em breve, em seu lançamento oficial.

Juliano Passaro

Compartilhe sua opinião