Nissan registra prejuízo anual de US$ 6,2 bilhões

Nissan registra prejuízo anual de US$ 6,2 bilhões
Nissan

A Nissan Motor anunciou nesta quinta-feira (28) um prejuízo anual de US$ 6,2 bilhões (R$ 32,7 bilhões), trata-se do primeiro em mais de uma década. De acordo com a fabricante japonesa, esse resultado é em razão do impacto da pandemia do novo coronavírus (covid-19).

No ano fiscal, concluído em março, a Nissan reportou uma perda de US$ 6,2 bilhões. No mesmo período, em 2019, a empresa havia registrado lucro de US$ 2,9 bilhões. Além da pandemia, a fabricante também sofreu impactos financeiros com a detenção de seu ex-presidente Carlos Ghosn.

A Nissan também informou que tem a pretensão de reduzir em 20% suas capacidades de produção em todo o mundo até março de 2023. Ademais, a fabricante japonesa deverá fechar sua fábrica em Barcelona que possui 3 mil funcionários.

Suno One: o primeiro passo para alcançar a sua independência financeira. Acesse agora, é gratuito!

Nissan entra com ação contra Ghosn e pede indenização de US$ 90 mi

A Nissan entrou com um processo, em fevereiro, no Japão, contra seu ex-diretor Carlos Ghosn. A fabricante de automóveis quer uma indenização pelo valor de US$ 90 milhões (R$ 390 milhões) para cobrar os prejuízos financeiros gerados pela má conduta de Ghosn, segundo uma fonte ligada ao processo.

Desse modo, trata-se de mais um capítulo sobre a relação conflituosa entre a montadora japonesa e o brasileiro. Em julho de 2019, o ex-diretor entrou com uma ação contra a Nissan na Justiça da Holanda, pedindo 15 milhões de euros (R$ 70 milhões), por conta das acusações de má conduta financeira que sofreu.

O ex-presidente da aliança entre Renault e Nissan afirmou durante uma entrevista coletiva no Líbano, em janeiro, que nunca deveria ter sido preso.

Veja Também: Nissan desmente notícia sobre rompimento de aliança com Renault

“As alegações são falsas e eu nunca deveria ter sido preso. Estou aqui para limpar meu nome”, afirmou o ex-executivo da Nissan. Carlos Ghosn disse ainda que “os princípios dos direitos humanos foram violados” com sua prisão. Isso porque, segundo ele, a justiça japonesa segurou os seus documentos de defesa.

Ghosn afirmou que a queda no desempenho da Nissan, há três anos, foi o precursor da perseguição contra ele. O executivo foi alvo de quatro acusações por crimes financeiros no Japão. No país, o magnata vivia sob prisão domiciliar desde abril de 2019.

Poliana Santos

Compartilhe sua opinião