Negócios

Natura registra queda de 48,4% em seu lucro líquido no 3T19

0

A Natura, empresa brasileira do setor de cosméticos, reportou seu lucro do terceiro trimestre. A quantia foi de 48,4% menor em comparação ao mesmo período de 2018. Dessa forma, o lucro líquido da companhia ficou em R$ 68,6 milhões, no ano passado o valor foi de R$ 132,8 milhões.

A receita líquida da Natura no terceiro trimestre ficou em R$ 3,473 bilhões. Isso significa uma alta de 7,2% em relação ao mesmo período do ano passado.

O Ebitda (lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização) caiu 17,4%, fechando em R$ 398,9 milhões.

Em relação aos nove primeiros meses do ano, a companhia registrou uma receita bruta de R$ 13,275 bilhões. O valor representa uma variação positiva de 6,6%.

Saiba mais: Natura: ações sobem 5% com aprovação do Cade pela compra da Avon

A receita líquida entre janeiro e setembro deste ano foi de R$ 9,792 bilhões, representando um aumento de 8,1% em comparação à 2018.

Justificativas da Natura

Em comunicado, a companhia afirmou que: “A receita líquida ajustada em reais registrou aumento de 8,1% (+13.2% em moeda constante). A receita líquida ajustada no Brasil avançou significativamente em 7,2% com ganho contínuo de participação de mercado, mesmo diante do fraco desempenho do segmento de cosméticos, higiene pessoal e perfumaria (CFT) e da forte base de comparação. Houve forte crescimento em todos os canais, explicado pelas categorias-chave e lançamentos estratégicos. Na Latam, a receita líquida ajustada cresceu 10,2% em reais (+28,8% em moeda constante), impulsionada pelo aumento de volume, expansão da base de consultoras e aumento da produtividade, bem como aceleração das vendas na Argentina, acima da inflação.”

Já em relação ao Ebitda, a Natura afirmou que: ” No Brasil, a margem EBITDA foi 17,5% (-260 pbs), devido ao faseamento de investimentos de marketing na marca Natura e em digitalização, para fortalecer a inovação e capturar ganhos de produtividade. Já na Latam, a margem EBITDA ajustada foi de 19,0% (+ 60 pbs). Nos 9M, a margem EBITDA ajustada foi de 17,3% (-80 pbs), enquanto na Latam a margem foi de 15,8% (-30 pbs).”

Compartilhe a sua opinião

Rafael Lara
Rafael Lara cursa jornalismo na Faculdade Cásper Líbero. Escreve sobre política, economia e negócios para o portal Suno Notícias. Antes, colaborou na TV Gazeta na produção do programa Edição Extra.