Negócios

Natura: ações caem com confirmação de negociações envolvendo a Avon

0

As ações da Natura (NATU3) fecharam esta segunda-feira (25) em queda de 3,37% a R$40,10 após a empresa confirmar negociações de compra da maior rival, a Avon.

O mercado não repercutiu bem as noticias referentes a possível venda das operações da Avon pela Natura. As informações são da agência Dow Jones e foram publicadas na última sexta-feira (22).

Saiba mais: Natura confirma intenção de compra de parcela da Avon

“A esse respeito, a Companhia confirma que vem mantendo discussões com a Avon Products, Inc. a respeito de potencial transação envolvendo ambas as companhias. Natura não pretende fazer comentários adicionais neste momento, porém comunicará ao mercado quando apropriado”, disse a possível compradora em fato relevante divulgado nesta sexta-feira (22).

De acordo com uma fonte com conhecimento do assunto, as negociações estão caminhando há alguns meses. O grupo financeiro Goldman Sachs estaria representado a Avon e o UBS a Natura. Tando a Golsman quanto a UBS não se manifestaram.

De acordo com fontes do Wall Street Journal, a Natura poderia comprar o negócio da Avon na América do Norte e as operações listadas na bolsa.

Negociações entre Avon e Natura

A Natura e a Avon operam com a venda de cosméticos por meio de uma rede de revendedores. A brasileira, por sua vez, possui uma cadeia de lojas, a Body Shop.

Os cenários da Avon e da Natura são opostos. A norte-americana apresentou uma receita trimestral abaixo das estimativas na última divulgação de resultados.

A companhia perdeu representantes de vendas e viu cair a demanda por seus produtos na América Latina. As ações chegaram a cair até 19% após a publicação do balanço.

A Natura, por sua vez, vive um bom momento. As ações da empresa subiram após a última divulgação dos resultados, mostrando um crescimento no lucro de 48% no quarto trimestre de 2018.

Saiba mais – Natura ganha investidores na bolsa após resultados positivos 

A Natura e a Avon operam com a venda de cosméticos por meio de uma rede de revendedores. A brasileira, por sua vez, possui uma cadeia de lojas, a Body Shop.

Os cenários da Avon e da Natura são opostos. A norte-americana apresentou uma receita trimestral abaixo das estimativas na última divulgação de resultados.

A companhia perdeu representantes de vendas e viu cair a demanda por seus produtos na América Latina. As ações chegaram a cair até 19% após a publicação do balanço.

A Natura, por sua vez, vive um bom momento. As ações da empresa subiram após a última divulgação dos resultados, mostrando um crescimento no lucro de 48% no quarto trimestre de 2018.

Saiba mais – Natura ganha investidores na bolsa após resultados positivos 

Como a compra beneficiaria a Natura

De acordo com análise do “Valor Econômico”, que tomou por base os dados de 2017 do Euromonitor International, a Natura aumentaria a participação no mercado brasileiro de higiene pessoal e beleza para cerca de 17%. Isso caso adquirisse toda a fatia da Avon no mercado brasileiro.

Afinal, as vendas da Avon e da Natura representaram, respectivamente, em 2017:

  • 5,6%
  • 11,7%

No mesmo ano dos dados coletados, a Natura recuperou o primeiro lugar nas vendas de cosméticos e cuidados pessoais no País. Os principais concorrentes ocuparam venderam:

  • Unilever: 11,1% das vendas.
  • Grupo Boticário: 10,8% (desconsiderando a aquisição da Vult Cosmética, que ocorreu em março de 2018).
  • L’Oréal: 7,3% das vendas.
  • Colgate-Palmolive: 6,6% das vendas.
  • Procter & Gamble: 5% das vendas.
  • Johnson & Johnson: 4,1% das vendas.
  • Coty: 3,9% das vendas.
  • Beiersdorf (dona da Nivea): 3,1% das vendas.

Especialistas ouvidos pelo “Valor Econômico” consideram que a eventual aquisição da Avon pela Natura não seria barrada pelo Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade).

Compartilhe a sua opinião

Renan Dantas
Escreve sobre política e mercado financeiro para o portal Suno Notícias. Antes, atuou na assessoria de comunicação do Ministério Público do Trabalho e na Rádio Mackenzie, onde apresentava e produzia um programa sobre artistas da música brasileira. É estudante na Universidade Presbiteriana Mackenzie.