MPRJ pedirá quebra de sigilo bancário e fiscal de Flávio Bolsonaro e Queiroz

MPRJ pedirá quebra de sigilo bancário e fiscal de Flávio Bolsonaro e Queiroz
O senador Flávio Bolsonaro (PSL-RJ)

O Ministério Público do Rio de Janeiro (MPRJ) vai pedir a quebra do sigilo fiscal e bancário de Flávio Bolsonaro e Fabrício Queiroz. As informações são da coluna do Lauro Jardim, do “O Globo”.

O caso está com o promotor Luís Otávio Lopes, que deve pedir a quebra do sigilo de Flávio Bolsonaro e seu ex-assessor. Assim, se isso acontecer, o senador e seu ex-motorista passarão a ser formalmente investigados.

O parlamentar chegou a entrar na Justiça contra o órgão. Dessa forma, Flávio alegou que o MPRJ abriu seus dados de forma ilegal. Contudo, o Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro não aceitou a denúncia do senador.

Saiba Mais: STF suspende investigação sobre Fabrício Queiroz

Flávio Bolsonaro, Fabrício Queiroz e Coaf. Entenda o caso

O Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf) apurou movimentação de R$ 1.236.838 entre 1º de janeiro de 2016 e 31 de janeiro de 2017 na conta de Queiroz. Entretanto, na época, o ex-assessor recebia R$ 23 mil. Michelle Bolsonaro, mulher do presidente Jair Bolsonaro, foi mencionada como favorecida do ex-assessor no relatório. O Coaf é o órgão administrativo do Ministério da Fazenda que examina ocorrências suspeitas de lavagem de dinheiro).

Michelle, que no período era secretária parlamentar de Jair Bolsonaro, recebeu de Queiroz um cheque de R$ 24 mil. O presidente eleito justificou que o cheque era pagamento de um empréstimo antigo feito ao ex-motorista do filho.

O depósito feito na conta de sua esposa devia-se ao fato de Jair Bolsonaro não possuir o hábito de ir ao banco.

Saiba Mais: Ministério Público considera quebrar sigilos de Fabrício Queiroz

O relatório do Coaf apontou operações atípicas nas contas de 74 servidores e ex-servidores da Alerj. Além das registradas na conta do ex-assesor de Flávio Bolsonaro. No início de dezembro foram presos 10 deputados no início no Rio de Janeiro na Operação Furna da Onça, desdobramento da Lava Jato.

Beatriz Oliveira

Compartilhe sua opinião