Negócios

Michael Klein, da Via Varejo, negocia vender cerca de R$ 2 bi em galpões

0

O empresário brasileiro Michael Klein afirmou nesta quarta-feira (9) que está negociando a venda de até 13 galpões logísticos. A declaração ocorreu por meio de uma nota enviada ao jornal “Valor Econômico”.

A informação sobre a venda dos galpões por Michael Klein foi divulgada no início do dia pelo site “Brazil Journal”, no entanto, ainda não era oficial. De acordo com o veículo, as propriedades estão avaliadas em carca de R$ 2 bilhões.

De acordo com o comunicado assinado por Klein, a venda dos galpões faz parte da estratégia de reposicionamento para os ativos do Grupo CB. Além de presidente do conselho de administração da Via Varejo, o executivo é diretor-presidente do CB.

Conforme as informações divulgadas pelo site, a venda está sendo direcionada pelo Bradesco BBI. O empresário, até o momento, já recebeu 12 propostas para a venda.

Entre as principais, estão as feitas por Blackstone/BlueMacaw, Brookfield, Credit Suisse, Hemisfério Sul Investimentos (HSI) e um consórcio formado pela Cyrela Commercial Properties.

Atualmente, dois terços do portfólio que será vendido estão alugados para a Via Varejo, segundo o site. No entanto, a maior parte estão com preços de aluguel inferiores à média do mercado. Além disso, 90% dos galpões possuem contratos de aluguel para longo prazo.

De acordo com analistas, a venda pode ocorrer para que Klein possa aumentar os investimentos em sua empresa de aviação, a Icon, ou para aumentar a posição do executivo na Via Varejo.

Expansão do comércio eletrônico da Via Varejo

No último mês, Klein informou que um grupo de representantes da Via Varejo estava na China. A visita ao país asiático teve como objetivo a busca por novas tecnologias de comércio eletrônico.

Saiba mais: Via Varejo estuda novas tecnologias para expandir comércio eletrônico

Os executivos da gigante varejista visitaram empresas como Alibaba e Tencent, que oferecem serviços digitais. “A gente quer recuperar a imagem e o histórico da Casas Bahia e do Ponto Frio, voltar às origens, mas com tecnologia digital”, afirmou o executivo.

Uma das inovações que a companhia pretende fazer, é o uso do crediário digital. “Os antigos gestores não tinham o crediário como prioridade. Vamos resgatar esses clientes que estão na nossa base, mas oferecendo crediário de forma totalmente digital”, disse Michael Klein.

Compartilhe a sua opinião

Giovanna Almeida
Giovanna Oliveira escreve sobre economia e política para o portal Suno Notícias. Antes, foi repórter do portal de jornalismo da ESPM-SP e produziu conteúdo para a Corinthians TV. É estudante da ESPM.