Mercado Livre recebe empréstimo de US$ 125 mi do Goldman Sachs

Mercado Livre recebe empréstimo de US$ 125 mi do Goldman Sachs
Mercado Livre abrirá centro de distribuição na Bahia

A subsidiária do Mercado Livre, Mercado Crédito, recebeu um empréstimo de US$ 125 milhões do Goldman Sachs Group. Este é o terceiro empréstimo do banco a uma fintech da América Latina em 2019.

A controlada do Mercado Livre irá utilizar o recurso para triplicar, no período de um ano, seu portfólio de US$ 100 milhões em capital de giro fornecido a pequenas e médias empresas no México, de acordo com informações de Martin de los Santos, vice-presidente do Mercado Livre. A informação foi dada em entrevista a “Bloomberg”.

O objetivo da empresa é “democratizar os serviços financeiros emprestando a empresas que não têm outro acesso a financiamento”, afirmou de los Santos. De acordo com informações da “Bloomberg Intelligence”, o Mercado Livre é líder no comércio eletrônico da América Latina, com cerca de 25% de participação no mercado e 40 milhões de visitantes por mês.

A sede da companhia fica na Argentina, porém aproximadamente dois terços da receita líquida de US$ 603 milhões da empresa vem do Brasil. O valor de mercado do Mercado Livre cresceu mais do que o dobro em 2019, para US$ 29 bilhões.

Mercado Crédito

O Mercado Crédito deu início a suas operações em 2016. A ideia inicial era fornecer crédito aos clientes da controladora e aos clientes que utilizam sua plataforma de pagamento online, o Mercado Pago.

“Queríamos não apenas o capital do Goldman, mas também a experiência que o banco tem nesse tipo de transação na América Latina”, disse de los Santos.

“O Mercado Crédito tem uma maneira única de levar o fluxo de capital para empresas que tradicionalmente não têm acesso a financiamento,” disse Santiago Rubin, diretor-gerente do Goldman Sachs.

Resultado trimestral

O Mercado Livre reportou um prejuízo líquido de US$ 146,08 milhões (aproximadamente R$ 580,89 milhões na cotação atual) no terceiro trimestre deste ano. No mesmo período do ano passado, as perdas já haviam sido de US$ 10,1 milhões.

Veja também: Mercado Livre investirá R$ 3 bilhões no Brasil em 2020

De acordo coma empresa, o desempenho foi impactado pelo crescimento do investimento em marketing, além dos encargos relacionados com impostos no México, de US$ 91,5 milhões (R$ 363,85 milhões), e na Colômbia, de US$ 7,2 milhões (R$ 28,63 milhões).

A receita líquida do Mercado Livre cresceu 69,7% no intervalo de julho-setembro, na comparação anual, chegando a US$ 603 milhões (R$ 2,39 bilhões). O Brasil foi o responsável por US$ 389,9 milhões (R$ 1,55 bilhão), crescendo 76,6%.

Juliano Passaro

Compartilhe sua opinião