Negócios

China autoriza a exportação de mais 25 frigoríficos

0

A China autorizou 25 frigoríficos brasileiros para exportar carnes. A informação foi divulgada nesta segunda-feira (9) pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa).

O governo brasileiro recebeu a informação pelo órgão de vigilância sanitária da China (GACC). O governo de Pequim indicou a habilitação das plantas para a exportação da carne.

Dos 25 frigoríficos habilitados, 17 produzem carne bovina, seis carne de frango, uma carne de porco e uma carne de asinino. As empresas donas dos frigoríficos estão autorizadas a exportar imediatamente. Graças a essa decisão chinesa, o número de plantas brasileiras habilitadas para exportar para o país asiático passou de 64 para 89.

Saiba mais: China queria habilitar só mais 20 frigoríficos, diz ministra; Brasil busca liberar 78 

O Ministério da Agricultura e Ministério das Relações Exteriores negociaram diretamente com o GACC para ampliar o número de frigoríficos brasileiros autorizados a exportar para a China. A Embaixada brasileira em Pequim auxilou essa negociação.

Em maio, a ministra Tereza Cristina e comitiva viajaram para China e outros países asiáticos com o objetivo ampliarem a venda dos produtos agropecuários brasileiros

Negociações longas com a China

O Brasil tinha apresentado uma lista de 78 frigoríficos para ser liberados para exportar para a China. A ministra da Agricultura viajou no país asiático em maio para negociar com o governo de Pequim.

Tereza Cristina salientou como as plantas brasileiras não tem problemas com a peste africana. Uma praga que está criando uma série de problemas para os produtores de carnes chineses.

Saiba Mais: JBS cai 6% com exportações de carne suína da UE para a China em alta

Antes da missão da ministra Pequim já havia anunciado recentemente a intenção de ampliar a lista de frigoríficos brasileiros liberados para exportação. A previsão era de que as plantas que atualmente já exportam para a Europa fossem mais facilmente habilitadas para exportar para o país asiático. Isso porque o mercado europeu é exigente com as questões sanitárias, o que daria mais confiança aos chineses.

Saiba Mais: China pode comprar mais carne bovina brasileira, diz embaixador

Por sua vez, a China também busca benefícios ao país na negociação. Os chineses querem, como contrapartida, um acordo de exportação de pescados para o Brasil.

A visita da ministra da Agricultura foi a abertura das conversas comerciais e diplomáticas do governo brasileiro com autoridades chineses. Logo em seguida, o vice-presidente, Hamilton Mourão também visitou a China, onde se reuniu com representantes do governo.

Lista completa

Confira a lista dos 25 frigoríficos escolhidos:

Carne bovina

  • Cooperativa dos Produtores de Carne e Derivados de Gurupi – Gurupi (TO)
  • Cooperativa dos Produtores de Carne e Derivados de Gurupi – Rio Maria (PA)
  • Frigorífico Redentor – Guarantã do Norte (MT) –
  • Minerva – Palmeira de Goiás (GO)
  • Minerva S/A – Rolim de Moura (RO)
  • Barra Mansa Comércio de Carnes e Derivados Ltda – Sertãozinho (SP)
  • Agroindustrial Iguatemi Eirelli – Iguatemi (MS)
  • Marfrig Global Foods – Tangará da Serra (MT)
  • Naturafrig Alimentos Ltda – Barra do Bugres (MT)
  • Marfrig Global Foods – Várzea Grande (MT)
  • Masterboi Ltda – São Geraldo Araguaia (PA)
  • Frigol – Água Azul do Norte (PA)
  • Plena Alimentos S.A – Paraíso do Tocantins (TO)
  • Agroindustrial de Alimentos S.A – Rondonópolis (MT)
  • Naturafrig – Rochedo (MS)
  • Vale Grande Indústria e Comércio de Alimentos – Matupá (MT)
  • Mercúrio Alimentos – Castanhal (PA)

Frango

  • Cooperativa Central Aurora Alimentos – Mandaguari (PA)
  • Coasul Cooperativa Agroindustrial – São João (PR)
  • Rio Branco Alimentos S.A – Visconde do Rio Branco (MG)
  • Gonçalves e Tortola S.A – Paraíso do Norte (PR)
  • BRF – Lucas do Rio Verde (MT)
  • Granjeiro Alimentos Ltda – Rolândia (PR)

Suínos

  • BRF S.A – Lucas do Rio Verde (MT)

Asininos

  • Nordeste Pecuária, Indústria e Comércio Ltda – Amargosa (BA)

Compartilhe a sua opinião

Carlo Cauti
Editor-chefe da SUNO Notícias. Formado em Ciências Políticas pela universidade LUISS G. Carli de Roma e mestre cum laude em Relações Internacionais, Jornalismo Internacional e de Guerra e em Economia Internacional. No Brasil, teve passagem por veículos de comunicação como O Estado de S.Paulo, G1, Veja e EXAME. Também trabalhou nas agências de notícias italianas ANSA e NOVA.