MPT rejeita denúncias de racismo contra o Magazine Luiza (MGLU3)

MPT rejeita denúncias de racismo contra o Magazine Luiza (MGLU3)
MPT rejeita denúncias de racismo contra a Magazine Luiza (MGLU3)

O Ministério Público do Trabalho em São Paulo recusou, nesta quinta-feira (24) as denúncias recebidas contra o Magazine Luiza (MGLU3), acusado de discriminação por selecionar apenas negros em seu próximo programa de trainees. De acordo com o MPT, não houve violação trabalhista, mas sim uma ação afirmativa de reparação histórica.

lead suno imagem ilustrativa

Receba as principais notícias do mercado diariamente.

Receba Grátis conteúdo exclusivo sobre Poupança, Ações, Economia e muito mais!

Parabéns! cadastro feitocom sucesso.

lead suno background

O Magazine Luiza recebeu 11 denúncias por promover  “prática de racismo”, uma vez que, nas palavras de um dos denunciantes, “impede que pessoas que não tenham o tom de pele desejado pela empresa” participem do processo seletivo.

Segundo o MPT, a política da empresa é legítima e não existe ato ilícito no processo de seleção, já que a reserva de vagas à população negra é plenamente válida e configura ação afirmativa, além de “elemento de reparação histórica da exclusão da população negra do mercado de trabalho digno”. Essa exclusão, segundo o Ministério Público, se traduz na falta de oportunidades de acesso ao emprego, na desigualdade de remuneração e na dificuldade de ascensão profissional, “quando comparado aos índices de acesso, remuneração e ascensão profissional da população branca”.

Suno One: acesse gratuitamente eBooks, Minicursos, Artigos e Video Aulas sobre investimentos com um único cadastro. Clique para saber mais!

“O que os empregadores não podem fazer é criar seleções em que haja reserva de vagas ou preferência a candidatos que não integram grupos historicamente vulneráveis”, alertou a coordenadora nacional de Promoção da Igualdade de Oportunidades e Eliminação da Discriminação no Trabalho, procuradora Adriane Reis de Araujo. Em 2006, o Brasil já foi condenado pela Corte Interamericana de Direitos Humanos por um caso considerado “prática de discriminação odiosa”, finalizou.

Magazine Luiza (MGLU3): reage à acusação de racismo por deputado

O deputado federal e vice-líder do governo na Câmara, Carlos Jordy (PSL-RJ) declarou no último sábado (19) através de suas redes sociais estar entrando com uma representação no Ministério Público contra a loja Magazine Luiza (MGLU3), acusando a empresa de racismo devido ao seu programa de trainee.

Saiba Mais: Magazine Luiza (MGLU3): reage à acusação de racismo por deputado

“Estou representando ao Ministério Público a loja Magazine Luiza para que seja apurado crime de racismo no caso do programa de Trainee só para negros. A lei 7.716/89 tipifica a conduta daquele que nega ou obsta emprego
por motivo de raça”, escreveu o deputado em seu twitter.

Diante disso, o Magazine Luiza se manifestou respondendo: “Estamos absolutamente tranquilos quanto a legalidade do nosso programa de Trainees 2021. Inclusive, ações afirmativas e de inclusão no mercado profissional, de pessoas discriminadas há gerações, fazem parte de uma nota técnica de 2018 do Ministério Público do Trabalho.”

Com informações do Estadão Conteúdo

Rafaela La Regina

Compartilhe sua opinião