Leilão A-6 de energia nova gera R$ 11,16 bi em investimentos

Leilão A-6 de energia nova gera R$ 11,16 bi em investimentos
Auxílio à distribuidoras de energia pode ser isento de IOF

O leilão A-6 de energia nova contabilizou R$ 11,16 bilhões em investimentos e R$ 44 bilhões em contratos de longo prazo, que duram de 20 a 30 anos. A negociação ocorreu nesta sexta-feira (18).

A energia foi vendida para nove distribuidoras que participaram do leilão. Os participantes ofereceram um desconto médio de 33,73% em comparação ao preço inicial. A média de preços para a contratação R$ 176,09/MWh.

A negociação durou quatro horas e, no total, foram contratados 2,98 gigawatts (GW) de potência e 1.702,46 megawatts (MW) médios de garantia física.

As companhias com as maiores participações no leilão foram:

  • Light (LIGT3), que adquiriu 38,87% dos contratos;
  • Cemig (CMIG4), que obteve 15,21% do total;
  • Coelba (CEEB3) que levou 11,75% das negociações de contratos.

Após o fim do leilão, os papéis ordinários da Light, sob o ticket LIGT3, estão operando em alta de 0,55%, negociados a R$ 18,20, por volta das 15h50. As ações da Cemig (CMIG4) estão em baixa de 1,72%, vendidas a R$ 13,68.

A matriz de energia eólica foi responsável pela maior parte dos investimentos do leilão. Os contratos, com duração de 20 anos, para esta fonte receberam R$ 4,49 bilhões em investimentos. A energia solar somou R$ 2,14 bilhões em investimentos. O setor hidrelétrico gerou R$ 1,7 bilhão em investimentos.

Light vende suas ações da Renova Energia

A Light (LIGT3) vendeu 100% de suas ações da Renova Energia. A totalidade equivale a 17,17% do capital social da empresa. O negócio foi realizado com o fundo CG I Fundo de Investimento em Participações Multiestratégia.

Saiba mais: Light vende 100% de suas ações da Renova Energia

A companhia informou ao mercado que a negociação envolvendo as ações da Renova estão alinhadas com os planos de desinvestimentos de ativos non-core” e em seu objetivo de melhorar o operacional de suas operações de distribuição.

“Cabe mencionar que, uma vez realizadas as notificações, o fechamento da transação poderá ser consumado, tendo a CG se comprometido a vender parte das ações objeto à Cemig GT, caso essa última exerça o seu direito de preferência”, comunicou a empresa de energia.

Giovanna Oliveira

Compartilhe sua opinião