Latam assina acordo para acessar financiamento de US$ 2,4 bilhões

Latam assina acordo para acessar financiamento de US$ 2,4 bilhões
A Latam Airlines anotou prejuízo de US$ 573,1 milhões no 3T20, revertendo o lucro de US$ 86,3 milhões no 3T19.

A Latam Airlines assinou na última terça-feira (29) o acordo DIP, que é um modelo de financiamento que dá preferência de pagamento a quem ajudou a empresa no momento de dificuldade, para captar US$ 2,4 bilhões (cerca de R$ 13,2 bilhões) com credores e acionistas, segundo mostrou um comunicado enviado pela aérea para a Comissão de Valores Mobiliários dos Estados Unidos (SEC, na sigla em inglês), nessa quarta-feira (30)

lead suno imagem ilustrativa

Receba as principais notícias do mercado diariamente.

Receba Grátis conteúdo exclusivo sobre Poupança, Ações, Economia e muito mais!

Parabéns! Cadastro feito com sucesso.

Ops! Algo deu errado. Tente novamente.

lead suno background

No comunicado, a Latam aponta que “de acordo com os termos da aprovação judicial e para os fins a que foi implementado, as diferentes partes envolvidas no financiamento DIP assinaram nesta data um acordo de crédito sujeito às leis do Estado de Nova York, Estados Unidos”. Vale lembrar que a companhia aérea está em processo de recuperação judicial (Chapter 11) nos Estados Unidos.

Além disso, o presidente da Latam no Brasil, Jerome Cadier, afirmou em entrevista ao ‘Broadcast’ que a empresa “pode voltar a focar no negócio” já que o tema do financiamento foi resolvido. O executivo disse que “agora conseguimos voltar nosso foco para o crescimento, aumento de frequência e de destinos”.

Suno One: acesse gratuitamente eBooks, Minicursos, Artigos e Video Aulas sobre investimentos com um único cadastro. Clique para saber mais!

Pedido de recuperação judicial da Latam

A companhia aérea Latam Brasil apresentou em meados de julho um pedido de recuperação judicial nos Estados Unidos. É a primeira vez que uma empresa brasileira apresenta um pedido de ativação da lei americana de reestruturação de empresas e proteção dos credores, o chamado “Chapter 11”.

A aérea já tinha apresentado pedido de recurso ao Chapter 11 no final de maio, mas somente no caso de sua holding, além de suas subsidiárias no Chile, Colômbia, Peru e Equador. Naquela ocasião, as operações no Brasil – que representam 50% do total do grupo e 14% das passividades – tinham ficado de fora do pedido.

A escolha de deixar fora do pedido as operações brasileiras tinha sido tomada para tentar facilitar as negociações com o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) para um pacote de ajuda financeira. Entretanto, a Latam não conseguiu obter esses recursos do banco público de desenvolvimento.

Com informações do Estadão Conteúdo.

Laura Moutinho

Compartilhe sua opinião