Economia

Juros do cheque especial chegam a 318,7%, informa Banco Central

0

O Banco Central (BC) informou nesta quarta-feira (28) que os juros do cheque especial caíram de 322,2% em junho para 318,7% ao ano em julho. Um aumento em comparação com julho do ano passado, quando a taxa tinha sido de 303,2%.

Além dos juros do cheque especial também o juro médio do rotativo do cartão de crédito aumentou, alcançando 300,3% em julho. Um mês antes essa porcentagem tinha sido de 300,1% e, no mesmo mês em 2018, a taxa média tinha sido de 272,6% ao ano.

Segundo o Banco Central, esses valores representam uma média e podem variar para cada situação específica. Isso pois os bancos oferecem taxas diferentes de acordo com o plano contratado pelo cliente, assim como na base da relação econômica mantida com a instituição financeira.

Saiba mais: Minha missão é combater o spread, diz presidente do Banco Central 

Entretanto, se comparados ao atual nível da taxa básica de juros (Selic), os juros do cheque especial e de outros produtos bancários continuam em um patamar muito elevado. A taxa Selic está atualmente em 6% ao ano, seu meno patamar histórico. Por isso, esse spread bancário continua extremamente elevado no Brasil.

Muito além do cheque especial

Confira as taxas de juros cobradas em cada tipo de operação:

  • Rotativo do cartão de crédito: subiu de 300,1% para 300,3% ao ano
  • Cartão de crédito parcelado: caiu de 175,6% para 175,2% ao ano
  • Cheque especial: caiu de 322,2% para 318,7% ao ano
  • Crédito pessoal não-consignado: caiu de 120,3% para 119,5% ao ano
  • Crédito pessoal consignado: caiu de 22,8% para 22,5% ao ano
  • Compra de veículos: caiu de 20,8% para 20,3% ao ano
  • Financiamento imobiliário: subiu de 7,7% para 7,8% ao ano

Roberto Campos quer lutar contra o spread bancário

Na última terça-feira (27) o presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, declarou que seu objetivo principal é a diminuição do spread bancário.

O presidente do Banco Central afirmou em audiência pública na Comissão de Assuntos Econômicos (CAE) do Senado: “concordo que o spread é alto. A minha principal missão é combater o spread.”

“Vamos organizar todo o crédito privado. Quando eu fizer isso, não preciso de compulsório tão alto” salientou o presidente do Banco Central.

Leia também: BC injeta US$ 750 milhões no mercado financeiro em dois dias

Em relação à falta de assistência de liquidez adequada, o que elevaria os compulsórios, Campos Neto afirmou que: “o Brasil não tem um processo organizado de assistência de liquidez”.

Roberto Campos Neto defendeu também que o progresso das reformas levará o Brasil a necessitar menos das reservas internacionais. O Banco Central, segundo ele, está “avaliando sempre” o nível ótimo das reservas.

Além da questão do spread bancário, que atinge também os juros do cheque especial, o presidente do Banco Central também salientou que ocorrerá um projeto de ampliação do microcrédito. Para ele, essa medida deveria estar pronta “em algumas semanas”. “Queremos aumentar o limite para mais de 2%”, comunicou Campos Neto.

Compartilhe a sua opinião

Carlo Cauti
Editor-chefe da SUNO Notícias. Formado em Ciências Políticas pela universidade LUISS G. Carli de Roma e mestre cum laude em Relações Internacionais, Jornalismo Internacional e de Guerra e em Economia Internacional. No Brasil, teve passagem por veículos de comunicação como O Estado de S.Paulo, G1, Veja e EXAME. Também trabalhou nas agências de notícias italianas ANSA e NOVA.