Negócios

Joint venture entre Embraer e Boeing para nova aeronave é nomeada

0

A Embraer (EMBR3) revelou, nesta segunda-feira (18), que sua joint venture com a Boeing, criada para estimular novos mercados para a aeronave multimissão C-390 MIllennium, foi nomedada de Boeing Embraer – Defense.

“A Boeing Embraer – Defense irá se basear no histórico de colaboração entre nossas empresas, no setor aeroespacial comercial e de defesa, para agregar maior valor ao C-390 Millennium, à medida que o avião está entrando em serviço e irá liderar a próxima geração de aeronaves de transporte e mobilidade aérea”, disse o presidente da Boeing para a parceria com a Embraer e Operações do Grupo, Marc Allen.

O C-390 Millennium tem um menor custo do ciclo de vida em comparação com as demais aeronaves do mercado, além de vantagens dos motores a jato para operar em diferentes missões, atrelando maior mobilidade, design robusto, flexibilidade, tecnologia comprovada de ponta e manutenção mais fácil e eficiente.

Saiba mais: Embraer anuncia recall dos jatos executivos Phenom 300

A aeronave pode ser usado para transporte de carga e tropas, reabastecimento aéreo, lançamento aéreo de carga e paraquedistas, busca e salvamento, combate aéreo a incêndios e missões humanitárias.

“Com o C-390 Millennium, poderemos oferecer a solução adequada para nossos clientes, de acordo com suas necessidades específicas”, salientou Jackson Schneider, presidente e CEO da Embraer Defesa & Segurança.

Embraer e Boeing projetam novas parcerias

O novo modelo possui a Certificação Civil da Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) desde o ano passado e agora está em processo de construção. A parceria do C-390 Millennium é uma das duas joint ventures planejadas entre as companhias.

A segunda joint venture, a Boeing Brasil – Commercial, será instituída pelas operações de aviação comercial da Embraer, sendo dividida em 80% de participação da Boeing e 20% da companhia brasileira.

Confira: Johnson & Johnson tem multa reduzida após juiz errar cálculo

Ambos os projetos continuam sujeitos à aprovação de órgãos regulatórios e às condições habituais de conclusão das transações. Espera-se que o negócio entre Embraer e Boeing seja concluída no início de 2020.

Compartilhe a sua opinião

Jader Lazarini
Jader Lazarini escreve sobre mercado financeiro, política e economia para o portal de notícias da Suno Research. Anteriormente, trabalhou na Unidas. Estuda Relações Internacionais na Universidade Anhembi Morumbi.