IRB Brasil (IRBR3) reporta prejuízo de R$ 62,4 milhões em julho

IRB Brasil (IRBR3) reporta prejuízo de R$ 62,4 milhões em julho
As ações do IRB Brasil (IRBR3) operam em queda nesta quinta. Por volta das 11h25, os papéis da resseguradora recuavam 1,12%.

O IRB Brasil (IRBR3) divulgou, na manhã desta quarta-feira (23), seus resultados do mês de julho, conforme documento enviado à Superintendência de Seguros Privados (SUSEP) e apresentado junto à Comissão de Valores Mobiliários (CVM). Em julho, a resseguradora registrou um prejuízo líquido de R$ 62,4 milhões.

lead suno imagem ilustrativa

Receba as principais notícias do mercado diariamente.

Receba Grátis conteúdo exclusivo sobre Poupança, Ações, Economia e muito mais!

Parabéns! cadastro feitocom sucesso.

lead suno background

De acordo com o IRB Brasil, caso fosse desconsiderado o impacto dos negócios descontinuados, a companhia apresentaria um lucro líquido de R$ 36 milhões. Entretanto, o destaque do mês fica por conta do faturamento bruto, que atingiu R$ 1,54 bilhão, uma alta de 100,8% em relação ao mesmo período do ano passado.

O faturamento bruto, que é equivalente ao prêmio emitido pela empresa, no Brasil, ficou em R$ 1,01 bilhão, enquanto o exterior contribuiu com R$ 531,6 milhões. Segundo a resseguradora, o crescimento mensal “decorre da renovação, com crescimento de coberturas, de um contrato no segmento de petróleo emitido no mês”.

Suno One: acesse gratuitamente eBooks, Minicursos, Artigos e Video Aulas sobre investimentos com um único cadastro. Clique para saber mais!

O faturamento de competência, que representa o prêmio ganho, totalizou R$ 657,6 milhões. Já o Índice de Sinistralidade — expresso pela relação entre despesas de sinistros e faturamento de competência do período –, por sua vez, ficou em 97,1% em julho, em função da despesa com sinistro de R$ 638,3 milhões.

O resultado, segundo a empresa, reverte a tendência observada no primeiro semestre deste ano, que registrou uma sinistralidade de 108%. No entanto, quando excluídos os sinistros dos negócios não continuados, isto é, cancelados e/ou não renovados, o índice cai para 73,2%.

Ademais, a empresa apresentou um Índice de Gastos Externos na ordem de 20,7%, sobretudo no que se refere a comissões. O Índie de Gastos Internos, referente a despesas administrativas, ficou em 3,4%. Já o Índice de Resultado Financeiro e Patrimonial atingiu 10% do faturamento de competência do mês em questão.

A contribuição marginal (resultado de underwriting ou de subscrição) ficou negativo em R$ 138,6 milhões, em razão do elevado volume dos negócios descontinuados no valor de R$ 160,8 milhões.

IRB Brasil diz que “quase 70% do problema de liquidez está resolvido”

No fim do mês passado, o CEO do IRB Brasil, Antônio Cássio dos Santos, disse que “quase 70% do problema de liquidez [da resseguradora] já está resolvido”. A afirmação foi realizada em uma entrevista coletiva para apresentação dos resultados trimestrais.

Em complemento à declaração, o vice-presidente do IRB Brasil, Wilson Toneto, afirmou que não há um “gap” de solvência regulatória na empresa, apenas de liquidez. O IRB destacou que este défict de liquidez era de R$ 3,3 bilhões no final do segundo trimestre, porém não era considerado ainda o aumento de capital aprovado nesta segunda pelo Conselho de Administração da empresa.

Levando em conta o aumento de capital aprovado pela empresa, o déficit de liquidez diminuiria para aproximadamente R$ 1 bilhão. De acordo com Werner Süffert, vice-presidente financeiro do IRB Brasil, isso é uma “ilação” que ainda não considera, entre outros fatores, os resultados operacionais dos meses de julho e agosto.

Jader Lazarini

Compartilhe sua opinião