IPO da Petz (PETZ3): saiba tudo sobre a abertura de capital na B3

IPO da Petz (PETZ3): saiba tudo sobre a abertura de capital na B3
IPO da Petz (PETZ3): saiba tudo sobre a abertura de capital na B3

Petz (Pet Center Comércio e Participações S.A.) vai realizar sua Oferta Pública Inicial (IPO) no dia 11 de setembro. A rede varejista de produtos para animais de estimação tinha pedido o registro para a abertura de capital no dia 19 de fevereiro, mas acabou postergando a operação por causa dos efeitos econômicos da pandemia do novo coronavírus (covid-19). Após a operação, as ações da empresa serão listadas no segmento Novo Mercado da Bolsa de Valores de São Paulo (B3) com o código “PETZ3”.

Segundo o prospecto apresentado pela própria empresa na Comissão de Valores Mobiliários (CVM), o IPO da Petz consistirá na distribuição pública primária de, inicialmente, 24.489.796 novas ações ordinárias de emissão e a distribuição secundária de, inicialmente, 138.775.510 ações ordinárias de emissão da Companhia e de titularidade dos Acionistas Vendedores.

Vale a pena investir na Petz (PETZ3)? Baixe nosso relatório GRATUITO e veja nossa recomendação para o IPO da Petz.

A oferta secundária será realizada pelo acionista vendedor fundo de investimento WP XI A Fundo de Investimento em Participações Multiestratégia, enquanto o acionista vendedor pessoa física será Sergio Zimerman.

A operação também prevê a negociação de lotes suplementar e adicional em favor de coordenadores da oferta e para investidores, caso haja excesso de demanda. Isso poderia elevar o número de papéis em até 15% do total. Ou seja, em até 24.489.795 papéis.

Segundo a rede de lojas para animais, a operação pode levantar cerca de R$ 2,1 bilhões, já que o preço de subscrição ou aquisição por ação estará situado entre R$ 12,25 e R$ 15,25, e o cálculo foi realizado com o preço médio de R$ 13,75 por ação Atualmente o capital social da empresa é de R$ 50.515.360,86, dividido em 348.366.000 ações ordinárias.

Saiba mais: Petz: demanda supera em três vezes a oferta em IPO, diz jornal

Atualmente não há ações ordinárias de emissão da Petz em circulação no mercado. Após a realização do IPO, sem considerar as ações e o exercício da opção de ações suplementares, estima-se que 163.265.306 ações ordinárias, representativas de 43,79% do capital social da empresa, estarão em circulação no mercado. Considerando as ações adicionais e o exercício da opção de ações suplementares, deveriam ser cerca de 220.408.162 ações ordinárias, representativas de aproximadamente 59,11% do capital social.

O período de reserva do IPO da Petz vai de 26 de agosto até o dia 8 de setembro.

Suno One: acesse gratuitamente eBooks, Minicursos, Artigos e Video Aulas sobre investimentos com um único cadastro. Clique para saber mais!

Simultaneamente ao IPO na B3, serão também realizados esforços de colocação das ações da Petz na Bolsa de Valores de Nova York (NYSE), exclusivamente para investidores institucionais qualificados (qualified institutional buyers), residentes e domiciliados nos Estados Unidos, conforme definidos na Regra 144A, editada pela U.S. Securities and Exchange Commission dos Estados Unidos (SEC).

Os bancos coordenadores da abertura de capital da Petz serão:

  • Banco Itaú BBA S.A (coordenador líder);
  • Banco Santander;
  • Bank of America Merrill Lynch Banco Múltiplo;
  • Banco BTG Pactual;
  • Banco J.P. Morgan;

Cronograma do IPO da Petz

O calendário da oferta inicial de ações da Petz é o seguinte:

  • Registro da solicitação na CVM – 19/02/2020
  • Aviso ao mercado e disponibilização do prospecto preliminar – 19/08/2020
  • Início do procedimento de bookbuilding – 20/08/2020
  • Início do pedido de reserva de ações – 26/08/2020
  • Encerramento do Período de Reserva – 08/09/2020
  • Encerramento do processo de precificação (bookbuilding) e fixação do preço por ação – 09/09/2020
  • Início da negociação em Bolsa – 11/09/2020
  • Liquidação das ações – 14/10/2020

Confira nosso relatório gratuito sobre a Petz e saiba se vale a pena investir no IPO da empresa.

Saiba mais sobre a Petz

Fundada em 2002 pelo empresário Sergio Zimerman, a Petz conta hoje com 110 lojas em 13 Estados brasileiros e no Distrito Federal. Em 2013 a empresa recebeu um investimento da WP XI A Fundo de Investimento em Participações Multiestratégia, modernizando também sua gestão.

Em seu prospecto a empresa lembra como Brasil é o país com a terceira maior população de cães e gatos do mundo, estimada em cerca de 88 milhões, apresentando ao longo dos últimos anos uma curva crescente. Seu valor total é de R$ 23,5 bilhões em receita de mercado, segundo os estudos da Euromonitor, também caracterizado pelo crescimento e resiliência em cenários de crise ou desaceleração econômica. Além disso, o mercado de produtos pets tem como características a recorrência da demanda e a baixa sazonalidade, significativamente menor do que as de outras categorias de varejo e consumo, apresentando volume de vendas equilibrado durante todo o ano.

Com os recursos obtidos na operação de abertura de seu capital, a empresa informou que pretende dar prosseguimento à rápida expansão de suas operações. “Pretendemos ampliar nossa rede de lojas de forma a abrirmos mais lojas padrão em praças onde operamos além de novas praças, que também promovem o aumento das vendas digitais na região”.

“Privilegiaremos a expansão orgânica, com a abertura de lojas próprias, mas sem descartar aquisições pontuais de ativos que possam ser integrados à nossa rede de lojas sem incorrer em custos incrementais significativos. Também pretendemos abrir lojas de conveniência de forma a adensar nossa presença nos mercados maiores, complementando de maneira eficiente a cobertura nestes mercados”, informa o documento depositado na CVM.

A Petz também pretende investir na estratégia digital focada no aprofundamento da omnicanalidade, aprimoramento da experiência do cliente e ganhos de produtividade, ampliar a oferta de produtos exclusivos sob a marca Petz, e investir na marca Seres, com expansão dos serviços prestados pelos centros veterinários.

Em 2019 a empresa teve um  lucro líquido de R$ 23,6 milhões, em queda de 23,7% em relação aos R$ 30,9 milhões obtidos em 2018. A receita bruta, por outro lado, aumentou de 25,7% para R$ 1,16 bilhão no ano passado, contra os R$ 913,4 milhões em 2018.

O lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização (Ebitda) ajustado foi de R$ 115,1 milhões em 2019, em amento de 50,8% contra os R$ 76,3 de 2018. Por sua vez, a margem Ebitda ajustada da Petz foi de 11,7% em 2019,, em alta em relação a 2018, quando foi de 9,9%.

Segundo informações do “O Estado de S. Paulo”, após o IPO a Petz deveria se tornar uma corporation, ou seja, com controle pulverizado — situação em que mais de 50% das ações da empresa ficam em free float. No entanto, a empresa ainda manterá um “sócio de referência”. O fundador da empresa, Sergio Zimermamm, deverá ficar com uma posição de 35%.

Para mais informações sobre o IPO da Petz (PETZ3), baixe o nosso relatório gratuito e saiba se vale a pena investir nas ações da empresa.

Carlo Cauti

Compartilhe sua opinião