IPO da Boa Vista SCPC (BOAS3): saiba tudo sobre a abertura de capital na B3

IPO da Boa Vista SCPC (BOAS3): saiba tudo sobre a abertura de capital na B3
A Boa Vista SCPC (BOAS3) estreou na Bolsa de Valores de São Paulo (B3) em forte alta nesta quarta-feira (30).

A Boa Vista SCPC realizará sua oferta pública inicial de ações (IPO, na sigla em inglês) na Bolsa de Valores de São Paulo (B3) no dia 30 de setembro deste ano. Serão distribuídas 154,6 milhões de ações ordinárias, listando a companhia no Novo Mercado, mais alto nível de governança da bolsa brasileira. Os papéis da empresa serão negociados por meio do ticker “BOAS3“.

Do total das ações, 83,3 milhões tratam-se de uma oferta primária, quando os recursos são direcionados diretamente ao caixa da empresa, enquanto 71,3 milhões são de emissão secundária, fazendo com que atuais acionistas alienem parte de suas participações na Boa Vista SCPC. Nessa situação, quem está vendendo suas ações da empresa são Associação Comercial de São Paulo (ACSP) e TMG Capital. Em uma hipótese de diluição máxima, a ACSP, que é a maior acionista individual, será diluída de 51,96% para 28,06%.

De acordo com o prospecto da empresa, a oferta ainda pode ser acrescida de um lote de ações suplementar de até 15% do total de papéis, considerando as emissões primárias e secundárias. Sendo assim, caso haja demanda, serão ofertadas mais 23,2 milhões de ações.

Com base no centro da faixa indicativa, que ficou entre R$ 10,80 e R$ 13,80, somente a oferta base movimentará R$ 955,5 milhões em recursos líquidos. Esses, por sua vez, serão divididos entre novas aquisições (94%) e novas iniciativas (6%).

As instituições financeiras coordenadoras da oferta da Boa Vista SCPC são:

  • J.P. Morgan;
  • Citibank;
  • Morgan Stanley.

Vale a pena investir na Boa Vista SCPC (BOAS3)? Baixe nosso relatório GRATUITO e veja nossa recomendação para o IPO da Boa Vista SCPC.

Cronograma do IPO da Boa Vista SCPC

Confira o calendário do IPO da Boa Vista SCPC:

  • Registro da solicitação na CVM – 28/02/2020
  • Aviso ao mercado e disponibilização do prospecto preliminar – 08/09/2020
  • Início das apresentações a potenciais investidores (roadshow) e procedimento de bookbuilding – 08/09/2020
  • Início do pedido de reserva de ações – 15/09/2020
  • Encerramento do Período de Reserva – 24/09/2020
  • Encerramento do bookbuilding e fixação do preço por ação – 28/09/2020
  • Início da negociação em Bolsa – 30/09/2020
  • Liquidação das ações – 01/10/2020
lead suno imagem ilustrativa

Receba as principais notícias do mercado diariamente.

Receba Grátis conteúdo exclusivo sobre Poupança, Ações, Economia e muito mais!

Parabéns! cadastro feitocom sucesso.

lead suno background

Histórico e perfil corporativo da Boa Vista SCPC

A Boa Vista SCPC, da forma pela qual conhecemos atualmente, foi criada em 2010 pela ACSP. A empresa opera com informações de crédito, administrando banco de dados e transações entre empresas. De uma forma geral, os principais concorrentes da empresa são Serasa Experian, SPC Brasil, Quod e Fico Analytic Consulting.

Em outubro de 2010, o fundo de private equity TMG adquiriu uma participação de 25% no capital social da empresa, que acabou por ser elevado para 30% posteriormente. Neste momento, a TMG assumiu a liderança e gestão da companhia, controlando as decisões operacionais e estratégicas.

Um ano depois, o fundo iniciou conversas para a companhia assumir o controle da Equifax Inc. no País. Até então, as atividades da empresa eram lideradas pela Equifax do Brasil, por meio da aquisição de uma participação acionária de 15% no capital social da empresa.

Baixe gratuitamente nosso relatório e saiba se vale a pena investir no IPO da Boa Vista SCPC (BOAS3). Clique e confira, é gratuito!

Já em 2017, a companhia instaurou um processo de minimização de custos de compartilhamento de dados junto a parceiros, inclusive com a Serasa, sua principal concorrente. No ano passado, por sua vez, a Lei do Cadastro Positivo foi alterada para determinar a adesão automática de indivíduos em suas bases de dados, avaliando os consumidores pelas contas que pagam e pelas que deixam de pagar.

O modelo de negócios da empresa é dividido em duas partes: Serviços para decisão e Serviços de recuperação. A primeira parte refere-se a soluções analíticas, relatórios de risco, soluções de marketing e soluções para o consumidor.

Serviços de recuperação trata de soluções digitais e soluções impressas e relatórios. Ambas as vertentes operacionais da empresa diferem-se à atividade inicial da empresa, que girava apenas na proteção ao crédito.

A Boa Vista SCPC consegue atender empresas de todos os setores da economia brasileira, posicionando-se mais ao lado de empresas do setor financeiro, como fintechs. O setor do comércio, e-commerce, seguros, telecomunicações e indústria também fazem parte do quadro de clientes da empresa. A companhia possui atuação nacional, porém, sua concentração de receitas está nas regiões Sul e Sudeste.

A empresa mostra-se como uma companhia de inovação, entregando soluções de alto valor agregado. As operações da empresa possuem um alto nível de complexidade e personalização, o que eleva sua margem frente a competidores.

A companhia, que abrange registros de mais de 240 milhões de pessoas físicas, brasileiras ou não, e mais de 40 milhões de pessoas jurídicas, registrou, no primeiro semestre deste ano, uma receita de R$ 138,59 milhões. O resultado líquido saiu de R$ 19,96 milhões negativos em 2015 para R$ 74,43 milhões positivos em 2019. Durante os seis primeiros meses deste ano, a empresa apresentou um lucro líquido de R$ 4,29 milhões.

A dívida líquida da empresa saiu de R$ 157,25 milhões em 2015 para R$ 224,28 milhões ao fim de junho deste ano. A empresa encerrou o primeiro semestre desde ano com R$ 139,18 milhões em caixa.

A Boa Vista SCPC é uma companhia brasileira que “alia inteligência analítica à alta tecnologia para transformar dados em soluções para os desafios de clientes e consumidores”, diz o site da empresa.

Para mais informações sobre o IPO da Boa Vista SCPC (BOAS3), baixe o nosso relatório gratuito e saiba se vale a pena investir nas ações da empresa.

Jader Lazarini

Compartilhe sua opinião