Investir em BDRs é igual a comprar ações no exterior? Entenda

Investir em BDRs é igual a comprar ações no exterior? Entenda
Os BDRs disponibilizam empresas globais listadas na Nyse e na Nasdaq

A Comissão de Valores Mobiliários (CVM) editou, em agosto deste ano, as regras para investimento em Brazilian Depositary Receipts (BDRs). Com a mudança, o órgão regulador do mercado de brasileiro abriu as portas para o pequeno e médio investidor aportar seus recursos em companhias listadas no exterior por meio da Bolsa de Valores de São Paulo (B3).

lead suno imagem ilustrativa

Receba as principais notícias do mercado diariamente.

Receba Grátis conteúdo exclusivo sobre Poupança, Ações, Economia e muito mais!

Parabéns! Cadastro feito com sucesso.

Ops! Algo deu errado. Tente novamente.

lead suno background

A deliberação da CVM foi divulgada em um momento em que a corrida à Bolsa era a regra. Tendo em vista os impactos negativos da pandemia do novo coronavírus na economia, o Banco Central (BC) e o governo federal seguiram o exemplo de outros países ao redor do globo: instauraram políticas monetárias e fiscais expansionistas. O resultado foi uma taxa básica de juros (Selic) na mínima história de 2,00% ao ano e uma porção de estímulos, desde créditos bancários ao auxílio emergencial de R$ 600,00.

Nesse sentido, muitos investidores pediram divórcio da renda fixa, devido ao baixo rendimento dos ativos e à maior liquidez no mercado, e migraram para a renda variável em busca de maiores retornos.

Suno One: acesse gratuitamente eBooks, Minicursos, Artigos e Video Aulas sobre investimentos com um único cadastro. Clique para saber mais!

Com isso, surge na cabeça do investidor a questão da diversificação de ativos, especialmente no que concerne à exposição ao mercado internacional. Mas afinal, com a nova regra da CVM de democratizar o acesso aos BDRs e a facilidade cada vez maior de se investir no exterior por meio de uma corretora lá fora, comprar BDRs é igual a investir em ações no exterior?

O que são BDRs?

Para início de conversa, para investir em BDRs é necessário entender o que são BDRs. Esses ativos são recibos lastreados em ações de companhias estrangeiras. Em uma resposta curta: comprar BDRs é adquirir os direitos que investidores em uma ação têm, mas sem ter a ação em si na carteira.

No caminho mais completo, ao comprar um BDR está se adquirindo um título representativo das ações da companhia, que, de fato, existem, mas ficam depositadas e bloqueadas pela instituição custodiante. O funcionamento do sistema é assegurado por outra instituição, a depositária, que atua na distribuição dos BDRs no Brasil. Com isso, a instituição depositária adquire as ações da companhia estrangeira e as mantém depositadas em uma conta em uma instituição custodiante. É através desse processo que instituição depositária, junto à CVM, poderá emitir os recibos e oferecer os BDRs para negociação na bolsa brasileira.

Com isso, títulos de gigantes internacionalmente famosas, como Apple, McDonald’s, Coca-Cola, Credit Suisse, Mercado Livre, Alibaba e outras mais, podem ser negociadas no Brasil.

Vantagens de comprar BDRs

A primeira questão a se considerar é a participação nos resultados de empresas de fora do Brasil e a exposição ao mercado internacional. Os BDRs oferecem, de maneira simples e diretamente pela bolsa brasileira, a possibilidade de diversificar os investimentos em geografias e economias diferentes, de modo a mitigar os efeitos em sua certeira dos riscos intrínsecos a um país.

Além da diversificação física, o investidor pode ter acesso a papéis de grandes empresas e a setores aos quais, porventura, podem não registrar representantes para se olhar na Bolsa. É o caso da FedEx, de serviços de entregas, e da Tesla, montadora de veículos elétricos.

Outro ponto positivo é fugir do imposto americano sobre transmissão de heranças. Não-residentes nos Estados Unidos que registram um patrimônio de mais de US$ 60 mil estão sujeitos a uma tributação de pelo menos 40% de imposto na sucessão. A alíquota pode subir conforme o estado.

Mas a grande vantagem é a facilidade. O investimento em BDRs não exige operações de câmbio ou contas de custódia no exterior, assim como não requer transferência de recursos para outro país para que o investidor possa ter parte de seu patrimônio investido de maneira indireta em ações estrangeiras. Basta abrir o seu app ou homebroker, escolher o ativo e comprar com seus reais.

Desvantagens

Quando um investidor compra um BDR, é necessário ressaltar, não está adquirindo diretamente as ações da companhia estrangeira e, com isso, vêm algumas desvantagens atreladas ao investimento em BDRs.

O primeiro é preciso notar consiste na disponibilidade de ativos. Atualmente, 672 BDRs estão disponíveis para negociação na B3, todos de ações listadas nas bolsas norte-americanas Nyse e Nasdaq, enquanto no mercado dos Estados Unidos há uma oferta de mais de 8 mil ativos. Sem contar os mercados de outras grandes economias, como Alemanha, China e Reino Unido. Além disso, quando falamos de negociações dos BDRs, o nível de liquidez costuma ser baixo visto que o volume de compra e venda não ser muito alto.

No que tange aos impostos, o pequeno investidor pode conseguir benefícios fiscais mais atrativos ao investir diretamente nos Estados Unidos. Ao realizar aportes no mercado norte-americano, o investir geralmente tem direito a isenção fiscal nos meses em que a somatória de suas vendas não bater R$ 35 mil. Na hipótese de o valor atingir esse patamar, o imposto que incidirá sobre o capital será o mesmo dos BDRs: 15%.

Outro empecilho que é possível destacar é o imposto sobre dividendos. No Brasil, não há tributação sobre os proventos pagos pelas empresas, porém a medida ainda corre nos Estados Unidos, com um alíquota de 30%. O que acontece, dessa maneira, é que ao comprar a ação de uma empresa estrangeira, a instituição depositária paga essa alíquota, que, por sua vez, é repassada ao investidor. Há ainda uma taxa sobre o valor dos dividendos recebidos de 5%, que vai para o emissor do BDR.

Independentemente de qual for a sua escolha, investir no exterior, seja em BDRs ou diretamente em ações, é uma boa maneira de o investidor brasileiro se expor aos mercados estrangeiros e ampliar o leque de setores em que pode investir bem como o acesso a empresas globais. Não obstante, a SUNO Research ressalta que para esses tipos de investimento é preciso prudência, com bases fundamentalistas e focadas para o longo prazo.

Arthur Guimarães

Compartilhe sua opinião