Inadimplência no ensino superior brasileiro sobe 29,9% no 1º semestre

Inadimplência no ensino superior brasileiro sobe 29,9% no 1º semestre
A inadimplência no ensino superior brasileiro privado ficou em 11% no primeiro semestre de 2020

O sindicato que representa mantenedoras de estabelecimentos de ensino superior no Brasil, Semesp, divulgou nesta segunda-feira (19) um estudo no qual aponta que a taxa de inadimplência no ensino superior privado do País registrou um aumento de 29,9% no primeiro semestre de 2020 em relação ao mesmo período do ano passado.

lead suno imagem ilustrativa

Receba as principais notícias do mercado diariamente.

Receba Grátis conteúdo exclusivo sobre Poupança, Ações, Economia e muito mais!

Parabéns! Cadastro feito com sucesso.

Ops! Algo deu errado. Tente novamente.

lead suno background

De acordo com as informações reportadas pela entidade, o número de alunos de graduação com mensalidades em atraso chegou a 11% nos primeiros seis meses deste ano. Não obstante a inadimplência ser maior em cursos de educação a distância (EaD), os pagamentos em atraso nos cursos presenciais registraram uma alta superior no intervalo, de cerca de 33,1%.

De acordo com dados da 4ª edição da Pesquisa sobre o Cenário Econômico Atual das Instituições de Ensino Privadas, a taxa de inadimplência nas instituições de grande porte, que possuem número de alunos superior a 7 mil, ficou em 11,8%.

Suno One: o primeiro passo para alcançar a sua independência financeira. Acesse agora, é gratuito!

Já nos estabelecimentos de pequeno ou médio porte, com até 7 mil alunos, o percentual caiu para 10,6% no mesmo período.

O levantamento foi feito com base em uma amostra de 53 instituições de educação superior do Brasil e não possui caráter definitivo.

Inadimplência é consequência direta da pandemia

Segundo o Semesp, o crescimento da inadimplência entre os cursos de graduação do País é resultado dos efeitos provocados pela pandemia no cenário político-econômico brasileiro, que incluem

  • o aumento do desemprego;
  • a diminuição da renda dos trabalhadores;
  • a redução do acesso ao crédito estudantil
  • as incertezas em torno do retorno das aulas presenciais.

“O ingresso de novos alunos no segundo semestre, que representa aproximadamente 30% dos ingressantes no ano, também foi frustrante e ficou muito abaixo dos últimos anos, agravando ainda mais a situação”, observou o sindicato.

A expectativa do segmento de educação superior é de que, com o início de uma retomada econômica, seja possível o retorno às aulas presenciais e o represamento de novos estudantes que não se matricularam em 2020 possam trazer um impacto positivo em 2021, como a diminuição da inadimplência.

Arthur Guimarães

Compartilhe sua opinião