IGP-M registra alta de 0,68% em outubro, diz FGV

IGP-M registra alta de 0,68% em outubro, diz FGV
Rio Bravo reverte decisão liminar do Santader (SANB11) contra RBVA11

A Fundação Getúlio Vargas (FGV) informou nesta quarta-feira (30) que o Índice Geral de Preços – Mercado (IGP-M) variou positivamente 0,68% em outubro. O índice acumula alta de 4,79% no ano e 3,15% nos últimos 12 meses. Esse percentual é superior a setembro que, no mesmo período, a taxa registrou -0,01%.

Em outubro do ano passado, o índice registrou 0,89% e acumulava alta de 10,79% em 12 meses. O IGP-M é usado como referência para reajustar valores de contratos imobiliários.

Indicadores do IGP-M

O medidor (IGP-M) é composto por outros três indicadores:

  • Índice de Preços por Atacado- Mercado (IPA-M);
  • Índice de Preços ao Consumidor – Mercado (IPC-M);
  • Índice Nacional do Custo da Construção – Mercado (INCC-M).

O Índice de Preços ao Produtor Amplo (IPA) tem peso de 60% no IGP-M. O indicador variou -0,09% em setembro para 1,02% em outubro. A taxa do grupo Bens Finais subiu 0,23% este mês, contra 0,31% no mês passado.

Confira Também: Financiamento imobiliário chegou a R$ 6,71 bi em agosto, diz Abecip

A principal contribuição para este resultado adveio do subgrupo combustíveis para o consumo, cuja taxa passou de -2,41% para 4,36%. A taxa do subgrupo combustíveis e lubrificantes para a produção passou de 0,07% para 7,19%. O grupo Matérias-Primas Brutas foi de -0,36% para 1,72%.

Os seguintes itens registraram aumento no grupo:

  • minério de ferro (-6,86% para 1,58%)
  • milho (0,38% para 8,08%)
  • laranja (-0,31% para 9,97%)

Os seguintes itens contribuíram para o recuo da taxa do grupo:

  • soja (8,12% para 1,45%)
  • leite in natura (-0,23% para -2,14%)
  • trigo (-0,01% para -3,87%)

IPC-M

Este índice tem o peso de 30% sobre o IGP-M. O indicador variou negativamente em 0,05% em outubro, após a queda de 0,04% em setembro.

Os seguintes itens contribuíram para o recuo da taxa do grupo:

  • tarifa de telefone móvel (1,15% para 0,36%)
  • passagem aérea (1,82% para -1,92%)

Os seguintes itens registraram aumento no grupo:

  • hortaliças e legumes (-13,53% para -6,18%)
  • gasolina (-0,53% para 1,00%)
  • cigarro (0,02% para 0,43%)
  • roupas (0,00% para 0,29%)
  • artigos de higiene e cuidado pessoal (-0,27% para 0,10%)

Além disso, foram registrados acréscimo nas taxas de variação dos seguintes grupos:

  • Alimentação (-0,80% para -0,36%)
  • Transportes (0,05% para 0,22%)
  • Vestuário (-0,05% para 0,16%)
  • Despesas Diversas (0,04% para 0,26%)
  • Saúde e Cuidados Pessoais (0,21% para 0,24%)

Por outro lado, os seguintes grupos apresentaram decréscimo em suas taxas de variação:

  • Habitação (0,36% para -0,21%)
  • Comunicação (0,53% para 0,11%)
  • Educação Leitura e Recreação (0,16% para 0,06%)

INCC-M

O Índice Nacional de Custo da Construção (INCC) tem o peso de 10% no IGP-M. O medidor subiu 0,12% em outubro, ante 0,60% no mês anterior. Os três grupos pertencentes registraram as seguintes variações:

  • Materiais e Equipamento (0,17% para 0,37%)
  • Serviços (0,25% para -0,08%)
  • Mão de Obras (0,95% para 0,00%)

O IGP-M sofre influências das oscilações do dólar. Além disso, também tem base nas cotações internacionais de produtos primários, como commodities e metais.

Poliana Santos

Compartilhe sua opinião