IGP-M: ‘Inflação do aluguel’ acelera de fevereiro para março, diz FGV

IGP-M: ‘Inflação do aluguel’ acelera de fevereiro para março, diz FGV
IGP-M: 'Inflação do aluguel' acelera de fevereiro para março, diz FGV

O Índice Geral de Preços-Mercado (IGP-M), usado para correção de contratos como os de aluguel de imóveis, acelerou e subiu para 1,26% em março, contra um avanço de 0,88% em fevereiro. Os dados foram divulgados pela Fundação Getúlio Vargas (FGV), nesta quinta-feira (28).

Em 2018, o índice que corrige o aluguel registrou uma alta acumulada de 7,54%, acima da inflação oficial do país que ficou em 3,75%. Em contrapartida, apontou uma deflação de 0,54% em relação à 2017.

Além disso, a fundação também divulgou os dados do Índice de Preços ao Produtos Amplo (IPA). O índice corresponde a 60% do índice geral e apuro os preços do atacado. O IPA teve acelerou para 1,67%, depois de marcar 1,22% de alta em fevereiro.

Saiba mais: Aluguel de imóveis comerciais ficam mais baratos 2018, segundo FIPE

O destaque no índice foi os “Bens intermediários”, que recuperou o recuo de 0,35% avançando 0,87%.

O Índice de Preços ao Consumidor (IPC), que tem peso de 30% no índice geral, teve novo avanço. O índice que subia 0,26% no último mês, desta vez registrou alta de 0,58%.

No entanto, o destaque ficou com o grupo de transportes, que contribuiu com um avanço de 0,82%, após ter ficado estável no último levantamento.

O Índice Nacional de Custo da Construção (INCC), seguiu o ritmo do mês anterior, com alta de 0,19%.

Aluguel sobe 0,41% em janeiro

A média do preço do aluguel teve alta acima da inflação pelo segundo mês seguido, de acordo com a pesquisa da Fipezap divulgado em fevereiro.

Saiba mais: Aluguel de imóveis residenciais sobe 0,41%; alta é superior a inflação

O documento aponta um crescimento de 0,41% no valor médio do aluguel de casas ou apartamentos durante janeiro. Dessa forma, o percentual encontrado é 0,09% superior a inflação oficial do mesmo período, que anotava 0,32% de alta.

IGP-M

O IGP-M é a inflação do aluguel. Ele sofre influência das oscilações do dólar. Além disso, é baseado nas cotações internacionais de produtos primários, como commodities e metais.

Renan Bandeira

Compartilhe sua opinião