Economia

IGP-M registra alta de 0,85% na segunda prévia de outubro

0

A Fundação Getúlio Vargas (FGV) informou nesta sexta-feira (18) que a segunda prévia do Índice Geral de Preços – Mercado (IGP-M) variou positivamente 0,85% em outubro. O índice acumula alta de 4,98% no ano e 3,33% nos últimos 12 meses. Esse percentual é superior a setembro que, no mesmo período, a taxa registrou -0,28%.

Em outubro do ano passado, na prévia do mesmo período, o índice registrou 1,29%, ante uma deflação de 0,52% em setembro.O IGP-M é usado como referência para reajustar valores de contratos imobiliários.

Indicadores do IGP-M

O medidor (IGP-M) é composto por outros três indicadores:

  • Índice de Preços por Atacado- Mercado (IPA-M);
  • Índice de Preços ao Consumidor – Mercado (IPC-M);
  • Índice Nacional do Custo da Construção – Mercado (INCC-M).

O Índice de Preços ao Produtor Amplo (IPA) tem peso de 60% no IGP-M. O indicador variou -0,52% na segunda prévia de setembro para 1,29% no segundo decêndio de outubro. A taxa do grupo Bens Finais subiu 1,21%% este mês, contra 0,11% no mês passado.

Confira Também: Financiamento imobiliário chegou a R$ 6,71 bi em agosto, diz Abecip

A principal contribuição para este resultado adveio do subgrupo combustíveis para o consumo, cuja taxa passou de -3,04% para 4,00%. A taxa do subgrupo combustíveis e lubrificantes para a produção passou de -0,84% para 7,14%. O grupo Matérias-Primas Brutas foi de -1,74% para 2,34%.

Os seguintes itens registraram aumento no grupo:

  • laranja (-2,38% para 8,77%)
  • minério de ferro (-11,21% para 5,01%)
  • milho (-0,27% para 6,67%)

Os seguintes itens contribuíram para o recuo da taxa do grupo:

  • aves (3,23% para -3,04%)
  • soja (8,36% para -0,81%)
  • trigo (0,32% para -3,16%)

IPC-M

Este índice tem o peso de 30% sobre o IGP-M. O indicador variou negativamente em 0,05% na segunda prévia de outubro, a taxa permanece a mesma observada no mesmo período de setembro.

Os seguintes itens contribuíram para o recuo da taxa do grupo:

  • eletricidade residencial (1,23% para -1,75%)
  • tarifa de telefone residencial (0,64% para 0,11%)
  • passagem aérea (2,10% para -0,79%)
  • produtos médico-odontológicos (0,15% para 0,02%)

Os seguintes itens registraram aumento no grupo:

  • hortaliças e legumes (-12,78% para -6,63%)
  • gasolina (-0,63% para 1,19%)
  • roupas (-0,36% para 0,50%)
  • alimentos para animais domésticos (-0,56% para 0,79%)

Além disso, foram registrados acréscimo nas taxas de variação dos seguintes grupos:

  • Alimentação (-0,75% para -0,45%)
  • Transportes (0,08% para 0,29%)
  • Vestuário (-0,43% para 0,24%)
  • Despesas Diversas (0,01% para 0,20%)

Por outro lado, os seguintes grupos apresentaram decréscimo em suas taxas de variação:

  • Habilitação (0,33% para -0,16%)
  • Comunicação (0,44% para 0,05%)
  • Educação, Leitura e Recreação (0,19% para 0,00%)

INCC-M

O Índice Nacional de Custo da Construção (INCC) tem o peso de 10% no IGP-M. O medidor subiu 0,10% no segundo decêndio de outubro, ante 0,67% no mês anterior. Os três grupos pertencentes registraram as seguintes variações:

  • Materiais e Equipamento (-0,13% para 0,29%)
  • Serviços (0,36% para -0,05%)
  • Mão de Obras (1,27% para 0,00%)

O IGP-M sofre influências das oscilações do dólar. Além disso, também tem base nas cotações internacionais de produtos primários, como commodities e metais.

Compartilhe a sua opinião

Poliana Santos
Poliana Santos escreve sobre economia e política para o portal Suno Notícias. Antes, colaborou na Rádio Gazeta AM, onde era responsável pela produção do programa Bom Dia Gazeta. É estudante da Faculdade Cásper Líbero.