Após mais de um mês, Ibovespa volta ao patamar de 100 mil pontos

Após mais de um mês, Ibovespa volta ao patamar de 100 mil pontos
Bolsas no exterior fecham a semana em alta com esperanças sobre vacina

O Ibovespa voltou ao patamar dos 100 mil pontos. Por volta das 11h10 desta terça-feira (20), o maior índice da Bolsa de Valores de São Paulo (B3) operava com uma alta de 1,39%, a 100.027 pontos. A última vez que o índice fechou acima desta marca foi em 17 de setembro.


O patamar de 100 mil pontos tem se mostrado uma barreira psicológica dos investidores. O mercado enxerga que a cotação do Ibovespa deve subir acima deste nível quando o cenário político e econômico brasileiro transparecer menos insegurança, sobretudo na questão fiscal e no combate à pandemia do novo coronavírus (Covid-19).

Este ano tem marcado uma forte volatilidade do Ibovespa. No primeiro pregão de 2020, o índice estava cotado a pouco mais de 115 mil pontos. O temor pelo coronavírus fez com que a Bolsa caísse até 63 mil pontos, em 23 de março — mesmo patamar de janeiro de 2017. Desde então, o Ibovespa chegou a subir mais de 65%, até voltar a perder força.

Nesta terça-feira, o mercado volta mostrar certo otimismo levado pela onda das bolsas mundiais, que esperam pelo novo pacote de estímulos financeiros dos Estados Unidos. O Congresso norte-americano tem até esta terça-feira para chegar a um consenso com o secretário do Tesouro, Steven Mnuchin.

Desde março, o Federal Reserve (Fed) já injetou mais de US$ 4,5 trilhões (cerca de R$ 23,13 trilhões na cotação atual) na economia, o que animou os mercados, que se recuperaram rapidamente. Vale lembrar que o Fed tem pedido maiores estímulos para a recuperação da economia, que entrou em recessão técnica em função da pandemia.

lead suno imagem ilustrativa

Receba as principais notícias do mercado diariamente.

Receba Grátis conteúdo exclusivo sobre Poupança, Ações, Economia e muito mais!

Parabéns! Cadastro feito com sucesso.

Ops! Algo deu errado. Tente novamente.

lead suno background

Além disso, o mercado, que fechou em alta também na última segunda-feira (19), demonstra alívio no que se refere à política fiscal do País. Nas últimas semanas, os investidores ficaram com um pé atrás sobre o possível furo no teto de gastos, ocasionado pela implementação do Renda Cidadã, programa social do governo de Jair Bolsonaro que deve substituir o Bolsa Família.

O presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia, disse no último fim de semana, em suas redes sociais, que “a Câmara não irá, em nenhuma hipótese, prorrogar o estado de calamidade pública para o ano que vem”. O deputado salientou que não há caminho para o Brasil fora do teto de gastos. Paulo Guedes, ministro da Economia, também disse nesta terça-feira que não será demitido nos próximos meses — na visão do mercado, um risco a menos.

O Ibovespa ainda apresenta uma queda de 13% neste ano. Em termos comparativos, o S&P 500 sobe 7% desde 1º de janeiro, enquanto a Nasdaq, bolsa de tecnologia dos Estados Unidos, avança 29%.

Jader Lazarini

Compartilhe sua opinião