Mercado

Ibovespa registra queda de -0,94% e volta aos 99 mil pontos

0

O Ibovespa fechou nesta terça-feira (03) em baixa. O principal índice da Bolsa de Valores de São Paulo (B3) teve queda de -0,94% a 99.680,828 pontos.

O Ibovespa teve baixa devido, principalmente, à divulgação de dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) que mostram que a produção industrial caiu 0,3% em julho, o pior resultado do mês em 4 anos.

Além disso contribuíram para a queda: O anúncio da Caixa Econômica Federal em relação ao banco pretender realizar a oferta inicial de ações (IPO) e que a equipe econômica do governo está tentando criar novas estratégias para ratificar a nova CPMF.

Produção industrial registrou o pior julho em 4 anos

A produção industrial caiu 0,3% em comparação com o mês passado, segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Esta é a terceira queda mensal seguida.

Saiba mais: Produção industrial cai 0,3%, registrando o pior julho em 4 anos

Em comparação com julho ano passado, o tombo foi ainda mais acentuado, de 2,5%. No acumulado de 2019, a queda é de 1,7%. Com o resultado deste mês, o patamar da produção industrial no Brasil está em 18,3% abaixo do ponto mais alto do indicador, ocorrido em maio de 2011.

Caixa pretende fazer IPO

A Caixa Econômica Federal pretende realizar a oferta inicial de ações (IPO) da Caixa Seguridade, subsidiária da estatal, ainda neste ano. A informação foi divulgada nesta terça-feira (3) pelo presidente do banco, Pedro Guimarães.

Saiba mais: Caixa pretende fazer IPO das áreas de seguros e cartões

Além da abertura de capital da seguradora, a Caixa também espera fazer a venda de ativos da empresa de cartões. No entanto, segundo Guimarães, o processo para a área de cartões é mais complexo pois a empresa faz parte da Caixa Participações, holding do banco.

“A Caixa Seguridade tem mais chances de sair esse ano. Mas não há pressa. Estamos seguindo todos os passos do regulador”, afirmou o presidente do banco estatal.

Nova CPMF

A equipe econômica está arquitetando novos planos para poder defender a substituição da atual contribuição sobre folha de pagamentos por um novo imposto no estilo da CPMF. A ideia é mostrar que o modelo estudado pela equipe pode beneficiar a economia e também criar novos postos de trabalho.

Saiba mais: Equipe econômica tenta criar estratégia para ratificar nova CPMF

De acordo com o site “O Globo”, o novo tributo nos moldes da CPMF poderia ter menos influência sobre o faturamento das empresas. Dessa forma, o imposto deixaria de pesar 14,2% e passaria para 3,25%.

Última cotação do Ibovespa

Na última sessão, na segunda-feira (2), o Ibovespa em queda de -0,5% a 100.625,74 pontos.

Compartilhe a sua opinião

Rafael Lara
Rafael Lara cursa jornalismo na Faculdade Cásper Líbero. Escreve sobre política, economia e negócios para o portal Suno Notícias. Antes, colaborou na TV Gazeta na produção do programa Edição Extra.