Ibovespa fecha em queda de 1,23% a 102 mil pontos seguindo Wall Street

Ibovespa fecha em queda de 1,23% a 102 mil pontos seguindo Wall Street
O Ibovespa ampliou o campo positivo e opera no azul. Por volta das 12h15, o índice avançava 1,27%, a 96.952,68 pontos.

O Ibovespa fechou o pregão desta terça-feira (11) em queda de 1,23%, cotado a 102.174,398 pontos, seguindo os índices de Wall Street frente à falta de avanços em relação a novos estímulos fiscais para a economia estadunidense.

lead suno imagem ilustrativa

Receba as principais notícias do mercado diariamente.

Receba Grátis conteúdo exclusivo sobre Poupança, Ações, Economia e muito mais!

Parabéns! cadastro feitocom sucesso.

lead suno background

Enquanto os principais índices das bolsas europeias ficaram azul, o Ibovespa acompanhou a piora em Nova York em função do desacordo para aprovar novos estímulos nos Estados Unidos e reforçar a maior economia do mundo, fortemente afetada pela pandemia.

O mercado ainda colocou de lado o anúncio da vacina contra a covid-19 anunciada pelo presidente da Rússia, Vladimir Putin. As notícias perderam fôlego diante das incertezas atreladas ao imunizante, que não passou por todos os estágios padrão de testagem.

No Suno One você aprende a fazer seu dinheiro trabalhar para você. Cadastre-se gratuitamente agora!

Com isso, veja as notícias que mexeram com o ânimo dos investidores nesta terça-feira:

  • Itaúsa anuncia queda de 75,4% no lucro do 2T20 e pagamento de dividendos
  • Linx negocia detalhes finais para possível fusão com Stone; ações disparam
  • BTG Pactual registra lucro líquido de R$ 977 milhões no 2T20

Itaúsa lucra R$ 598 mi no 2T20 e pagará dividendos

Itaúsa (ITSA4) registrou lucro líquido de R$ 598 milhões no trimestre encerrado em junho, uma queda de 75,4% em comparação ao mesmo período do ano passado. O lucro líquido recorrente da companhia ficou em de R$ 1,4 bilhão, redução de 40,7% frente ao mesmo intervalo de 2019.

“As empresas investidas do portfólio (…) experimentaram os impactos nas suas operações ao longo do trimestre, seja pelo aumento de provisão para perdas esperadas com operações de crédito, como no caso do Itaú Unibanco, ou pela redução das vendas e menor diluição de custos fixos em função das restrições impostas ao varejo e ociosidade das fábricas, como no caso da Alpargatas (ALPA4) e Duratex (DTXE3)”, informou a Itaúsa.

A holding também comunicou a aprovação do pagamento de dividendos no valor de R$ 0,02 por ação, tendo como base de cálculo a posição acionária final registrada no dia 17 de agosto. Os investidores deverão receber no dia 26 deste mês.

Linx negocia possível fusão com Stone

A Linx (LINX3) informou que está em tratativas finais para uma possível combinação de negócios com a processadora de pagamentos Stone (Nasdaq: STNE). No entanto, “não há, neste momento, nenhum documento vinculativo assinado pela companhia a respeito dessa transação, e, portanto, não há garantia de que uma potencial operação seja concluída”, salientou a Linx.

Após a divulgação da notícia, as ações das duas empresas disparam. Por volta das 13h, quando o comunicado foi colocado no site da bolsa brasileira B3, os papéis da Linx disparam quase 33%, negociados a R$ 34,68; enquanto a Stone chegou a subir 14,3% na bolsa automática dos Estados Unidos, cotada a US$ 54,13.

Lucro do BTG sobe 0,51% no 2T20

O BTG Pactual (BPAC11) registrou um lucro líquido de R$ 977 milhões referente ao segundo trimestre deste ano, equivalente a uma leve alta de 0,51% sobre o apresentado no mesmo período do ano passado.

A receita total chegou a R$ 2,48 bilhões, uma alta de 13,8%, puxada pela área de sales & trading, com um faturamento de R$ 1,01 bilhão, que cresceu 15% em comparação ao segundo trimestre de 2019. O investment banking também colaborou para o resultado, com uma alta de 19% da receita em comparação ao mesmo período do ano passado.

O resultado de sales & trading “foi impulsionado principalmente por um forte desempenho das nossas mesas de câmbio e ações, combinado com níveis históricos de fees de corretagem, parcialmente compensados por menores receitas das nossas mesas de juros e energia”.

Maiores altas e baixas do Ibovespa

Altas:

  • GOLL4 +8,45% / R$ 19,50
  • AZUL4 +7,07% / R$ 23,32
  • CVCB3 +6,54% / R$ 20,35
  • IRBR3 +6,01% / R$ 8,11
  • HGTX3 +4,92% / R$ 15,79

Baixas:

  • CSAN3 -3,43% / R$ 84,00
  • BRKM5 -3,25% / R$ 24,74
  • SBSP3 -3,15% / R$ 57,13
  • VALE3 -3,09% / R$ 60,28
  • EQTL3 -2,8% / R$ 23,91

Bolsas no exterior

  • Nova York (S&P 500): -0,80% – 3.333,69
  • Londres (FTSE 100): +1,71% – 6.154,34
  • Frankfurt (DAX 30): +2,04% – 12.946,89
  • Paris (CAC 40): +2,41% – 5.027,99
  • Xangai (SSEC): -1,15% – 3.340,29
  • Hong Kong (Hang Seng): +2,11% – 24.890,68
  • Tóquio (Nikkei 225): +1,88% – 22.750,24

Última cotação do Ibovespa

Na sessão da última segunda-feira, o Ibovespa encerrou as negociações em alta de 0,65%, cotado a 103.444,48 pontos.

Arthur Guimarães

Compartilhe sua opinião