Mercado

Ibovespa fecha em alta com cenário externo e declarações de Guedes

0

O Ibovespa fechou em alta nesta segunda-feira (9), em seu quarto resultado positivo consecutivo, graças ao cenário externo favorável.

O Ibovespa fechou em alta de 0,24%, com 103.180,594 pontos. Entre as razões que levaram para essa alta do principal índice da Bolsa de Valores de São Paulo (B3) está o anúncio da China sobre a autorização de frigoríficos brasileiros a exportar e o início das negociações para um acordo de livre comércio entre Brasil e México.

Também contribuíram para a abertura do Ibovespa as declarações do ministro da Economia, Paulo Guedes, sobre as privatizações.

Privatizações segundo Paulo Guedes

Em entrevista ao jornal “Valor Econômico”, o ministro da Economia, Paulo Guedes, disse que irá propor a privatização de todas as empresas estatais. Entretanto, o titular da pasta econômica salientou como a decisão final é do Congresso Nacional.

Saiba mais: Paulo Guedes pretende propor a privatização todas as estatais, afirma jornal 

“A minha obrigação é fazer o diagnóstico e entregar a prescrição. O Congresso vai decidir”, afirmou o ministro.

Segundo Guedes, o presidente Jair Bolsonaro apoia integralmente as privatizações.

“Todos os dias ele cobra: ‘Poxa Salim [Salim Mattar, secretário de Desestatização e Desinvestimento], tem que vender uma por semana, está demorando muito”, salientou Guedes.

Banco Pan anuncia oferta pública de ações

O Banco Pan (BPAN4) informou nesta segunda que sua oferta de distribuição primária e secundária de 138 milhões de ações preferenciais foi aprovada.

As ações preferenciais do Banco Pan prevê a colocação inicial de 115 milhões de ações, sendo igualmente divididas entre primária e secundária, sendo as secundárias tendo a Caixa Participações (CaixaPar) como acionista vendedor.

Veja também: Banco Pan atinge R$ 1 bilhão em operações de crédito virtuais

Hoje, a CaixaPar possui 23,28% das ações preferenciais do banco, o que equivale a 112,7 milhões de unidades. Também detém uma fatia de 39,87% de ações ordinárias. O BTG Pactual tem uma participação de 60,13% dos papéis ordinários e 37,64% das preferenciais, de acordo com informações da B3.

Frederico Trajano salienta necessidade de crescer

O diretor-executivo do Magazine Luiza, Frederico Trajano, disse, durante o evento “Exame Fórum”, realizado em São Paulo nesta segunda-feira (9), que as empresas privadas precisam aproveitar o atual cenário nacional para “acelerar”.

Saiba mais: O momento de acelerar é agora, afirma CEO do Magazine Luiza 

“A iniciativa privada tem que assumir o protagonismo e a hora é agora. Nós [Magazine Luiza] aceleramos muito os investimentos neste ano, abrimos nossa 1000ª loja há duas semanas, estamos investindo ainda mais no que tem nos diferenciado, que é a tecnologia”, afirmou o CEO da Magazine Luiza.

Trajano, que tem como um de seus objetivos aprimorar a tecnologia para melhorar seu negócio, disse estar confiante em um cenário econômico positivo para as empresas no próximo ano.

“Estou com uma visão muito mais otimista do que a media, em relação a economia brasileira. Eu acho que os ciclos anteriores de recuperação pós-crise eram muitos protagonizados pela iniciativa pública. Este ciclo atual está sendo protagonizado pela iniciativa privada”, salientou Trajano.

O diretor executivo acredita também que o atual panorama do mercado mostra que, quando a economia for recuperada, empresas que investiram neste meio tempo, compreendido entre o início deste ano e o decorrer do ano que vem, terão um bom retorno.

“Está tendo uma série de facilidades, com juros a 5%, de levantar capital. Muitas empresas estão fazendo follow on, abrindo capital… Isso gera emprego”, disse o CEO da varejista.

China libera frigoríficos

A China autorizou 25 frigoríficos brasileiros para exportar carnes. A informação foi divulgada nesta segunda pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa).

O governo brasileiro recebeu a informação pelo órgão de vigilância sanitária da China (GACC). O governo de Pequim indicou a habilitação das plantas para a exportação da carne.

Dos 25 frigoríficos habilitados, 17 produzem carne bovina, seis carne de frango, uma carne de porco e uma carne de asinino. As empresas donas dos frigoríficos estão autorizadas a exportar imediatamente. Graças a essa decisão chinesa, o número de plantas brasileiras habilitadas para exportar para o país asiático passou de 64 para 89.

Saiba mais: China autoriza a exportação de mais 25 frigoríficos 

O Ministério da Agricultura e Ministério das Relações Exteriores negociaram diretamente com o GACC para ampliar o número de frigoríficos brasileiros autorizados a exportar para a China. A Embaixada brasileira em Pequim auxilou essa negociação.

Em maio, a ministra Tereza Cristina e comitiva viajaram para China e outros países asiáticos com o objetivo ampliarem a venda dos produtos agropecuários brasileiros.

Acordo de livre comércio Brasil México

Nesta segunda, o Secretário Especial de Comércio Exterior e Assuntos Internacionais do Ministério da Economia, Marcos Troyjo, declarou que o governo brasileiro começou as negociações para um tratado de livre comércio com o México. O objetivo é chegar a assinatura de um pacto comercial entre as duas maiores economias da América Latina.

A declaração chegou durante a tentativa do País de abrir de sua economia e manter as relações comerciais com outros países. Conversas para um possível acordo comercial com os Estados Unidos também já foram iniciadas.

Última cotação do Ibovespa

Na última sessão da sexta-feira (6), o Ibovespa encerrou o pregão em alta de +0,68% a 102.935,430 pontos

Compartilhe a sua opinião

Carlo Cauti
Editor-chefe da SUNO Notícias. Formado em Ciências Políticas pela universidade LUISS G. Carli de Roma e mestre cum laude em Relações Internacionais, Jornalismo Internacional e de Guerra e em Economia Internacional. No Brasil, teve passagem por veículos de comunicação como O Estado de S.Paulo, G1, Veja e EXAME. Também trabalhou nas agências de notícias italianas ANSA e NOVA.