Ibovespa inverte para queda, descolando do exterior; aéreas lideram altas

Ibovespa inverte para queda, descolando do exterior; aéreas lideram altas
As bolsas mundiais operam no vermelho na manhã desta quarta-feira (21), à espera do novo pacote de estímulos norte-americano.

O Ibovespa abriu em leve alta nesta quinta-feira (1), mas inverteu para queda e opera no vermelho, descolando do exterior, que está no azul em meio ao alívio no cenário político. O âmbito interno mostra-se mais pesado à Bolsa de Valores de São Paulo (B3) em função das incertezas quanto à política fiscal do País e tensões entre o ministro da Economia, Paulo Guedes, e o presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia.

lead suno imagem ilustrativa

Receba as principais notícias do mercado diariamente.

Receba Grátis conteúdo exclusivo sobre Poupança, Ações, Economia e muito mais!

Parabéns! cadastro feitocom sucesso.

lead suno background

Por volta das 12h15, a cotação do Ibovespa recuava 0,53%, para 94.098,25 pontos, devolvendo parte dos ganhos registrados na última quarta-feira (30). A queda é atenuada pelo forte avanço das companhias aéreas Azul (AZUL4) e Gol (GOLL4), que lideram as altas nesta manhã, subindo 5,5% e 4,74%, respectivamente.

Os investidores mostram-se mais otimistas com o setor após o banco Goldman Sachs elevar a recomendação de neutra para compra de ambas as empresas. Para a Azul, a instituição destacou as medidas tomadas em meio à pandemia, com o afastamento de voluntários, negociações com sindicatos e trato com empresas de leasing. “Consideramos a companhia como uma das mais bem posicionadas em um ambiente de recuperação da demanda com potenciais ganhos de market share”, disse o Goldman Sachs.

No Suno One você aprende a fazer seu dinheiro trabalhar para você. Cadastre-se gratuitamente agora!

No que se refere à Gol, o banco também destacou a incorporação das medidas de redução de custos da empresa, como adiamento de pagamentos de leasing, licenças voluntárias e alterações em contratos que diminuíram o risco de liquidez da aérea.

Do lado negativo, o destaque fica por conta da Natura (NTCO3), que tomba 5,48%. O mercado ainda está digerindo o anúncio da empresa na manhã desta quinta, que prevê uma oferta global de ações que pode atingir R$ 6,207 bilhões. Seriam emitidas 121.400.000 ações ordinárias, com esforços de colocação no exterior por meio de ADRs. A companhia objetiva acelerar o crescimento nos próximos anos e melhorar a estrutura de capital.

O índice também é puxado pra baixo por conta da queda de 1,54% da Petrobras (PETR4). Nesta manhã, as cotações do barril do petróleo, tanto WTI como Brent, tombam cerca de 5%, com os rumores de maior oferta no mercado em meio à demanda ainda pressionada.

A Minerva (BEEF3) também figura entre as maiores quedas, recuando 4%. A companhia do setor de frigoríficos informou que o Compass Group atingiu uma participação acionária de 5,13% na empresa, controlando 28.158.966 ações ordinárias de sua emissão.

Nesta quinta também foram divulgados os resultados do primeiro trimestre deste ano da CVC (CVCB3). De forma atrasada, a companhia registrou um prejuízo líquido de R$ 1,15 bilhão. Em razão do resultado negativo, as ações da operadora de turismo abriram em queda que chegou a ser de 5%, zeraram as perdas, mas voltam a cair cerca de 1,3%.

Papéis mais negociados do dia

Por volta das 12h15, a B3 registrava um volume financeiro total de R$ 8,65 bilhões. Confira quais são as empresas mais negociadas do Ibovespa agora:

Última cotação do Ibovespa

De forma distinta ao Ibovespa hoje, o índice acionário encerrou as negociações na última quarta-feira com uma alta de 1,09%, a 94.603,38 pontos.

Jader Lazarini

Compartilhe sua opinião