Ibovespa intensifica queda na abertura; Covid-19 e juros futuros no radar

Ibovespa intensifica queda na abertura; Covid-19 e juros futuros no radar
A Guide informou nesta terça-feira (1) que realizou seis alterações em sua carteira recomendada para dezembro deste ano.

O Ibovespa abriu em queda nesta quinta-feira (29), aprofundando as perdas do último dia de negociações. Ontem, o maior índice acionário da Bolsa de Valores de São Paulo (B3) tombou 4,25%, o 10º pior pregão do ano. O mercado é pressionado pela preocupação com o avanço da pandemia no Hemisfério Norte, além dos questionamentos acerca da política monetária e fiscal do País, após mais uma reunião do Comitê de Política Monetária (Copom).

lead suno imagem ilustrativa

Receba as principais notícias do mercado diariamente.

Receba Grátis conteúdo exclusivo sobre Poupança, Ações, Economia e muito mais!

Parabéns! Cadastro feito com sucesso.

Ops! Algo deu errado. Tente novamente.

lead suno background

Por volta das 10h30, a cotação do Ibovespa apresentava uma queda de 1,20%, a 94.229 pontos. Na última quarta-feira, o Copom manteve taxa básica de juros da economia (Selic) em 2% ao ano, levantando um alerta ao mercado, que viu as taxas de juros futuras subirem nesta manhã.

Após a reunião, o colegiado salientou que “a conjuntura econômica continua a prescrever estímulo monetário extraordinariamente elevado, mas reconhece que, devido a questões prudenciais e de estabilidade financeira, o espaço remanescente para utilização da política monetária, se houver, deve ser pequeno”. O mesmo entendimento já havia sido apresentado após o último encontro dos representantes do Banco Central (BC).

Suno One: acesse gratuitamente eBooks, Minicursos, Artigos e Video Aulas sobre investimentos com um único cadastro. Clique para saber mais!

Em um período de incertezas acentuadas pela retomada da pandemia do novo coronavírus (Covid-19) no Hemisfério Norte, o colegiado do BC adota novamente um tom “dovish”, ou seja, favorável à manutenção de estímulos monetários. Agora o mercado se pergunta até que ponto a manutenção da Selic em patamares historicamente baixos não traga um effective lower bound, quando a política monetária dessa natureza passa a ter resultados contraprodutivos.

Na Europa, o movimento negativo não foi diferente. Após encerrarem nos patamares mais baixos dos últimos cinco meses, os mercados operam em queda nesta quinta-feira, precificando uma nova onda de lockdowns no Velho Continente. E eles vieram, na França e na Alemanha.

Na Ásia, os mercados fecharam de forma mista após o Banco do Japão manter sua política monetária inalterada, continuando com sua taxa referencial de juros em -0,10% ao ano.

O desempenho receoso dos investidores globais apaga os dados econômicos dos Estados Unidos. O Produto Interno Bruto (PIB) norte-americano avançou 33,10% em termos anualizados no terceiro trimestre deste ano. A economia norte-americana procura se recuperar do tombo de 31,4% registrado no período entre março e junho, levando a maior potência do planeta à uma recessão técnica.

De acordo com o Departamento de Comércio norte-americano, em divulgação nesta quinta-feira, essa foi a recuperação mais forte dos Estados Unidos em toda a história — a anterior havia sido no pós-Segunda Guerra Mundial, no primeiro trimestre de 1950, quando o crescimento foi de 16,7%.

O resultado foi impulsionado pelos gastos das famílias, que cresceram 40,7% em termos anualizados, um novo recorde na série histórica. Os investimentos empresariais e de habitação também registraram fortes aumentos. O pacote de estímulos do governo ofereceu ajuda a muitas empresas e desempregados, elevando os gastos dos consumidores. Foram injetados mais de US$ 3 trilhões na economia.

Mercados globais

Confira o desempenho dos principais índices acionários no exterior, além do Ibovespa agora:

  • Nova York (S&P 500) futuro: +0,25%
  • Londres (FTSE 100): -0,34%
  • Frankfurt (DAX 30): -0,12%
  • Paris (CAC 40): -0,57%
  • Milão (FTSE/MIB): -0,93%
  • Hong Kong (Hang Seng): -0,49% (fechada)
  • Xangai (SSE Composite): +0,11% (fechada)
  • Tóquio (Nikkei 225): -0,37% (fechada)

Última cotação do Ibovespa

Da mesma forma que o Ibovespa hoje, o índice acionário encerrou as negociações na última quarta-feira com uma queda de 4,25%, a 95.371,09 pontos.

Jader Lazarini

Compartilhe sua opinião