Mercado

Ibovespa abre em alta após petróleo mostrar recuperação

0

O Ibovespa abriu em alta nesta quinta-feira (2), após o presidente estadunidense Donald Trump dizer que Rússia e Arábia Saudita podem chegar a um acordo, encerrando a guerra de preços do petróleo.

Por volta das 10h25, o Ibovespa variava positivamente a 1,20%, para 71.815,49 pontos. Em meio à instabilidade da cotação da commodity e a queda brusca na demanda, a Petrobras informou medidas para conter o impacto da atual crise.

Além disso, segue no radar dos investidores:

  • MP trabalhista
  • Altas e quedas do Ibovespa
  • Bolsas no exterior

Cotação do petróleo

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, afirmou nesta quinta-feira que conversou com os líderes russos e árabes e que acredita que ambas as nações encontrarão uma acordo para encerrar a guerra de preços na venda de petróleo. A cotação do barril Brent chegou a subir cerca de 10% na manhã desta quinta-feira.

O mandatário também disse que convidou executivos do setor de petróleo norte-americano à Casa Branca para levantar meios de ajudar a indústria, “devastada” pela forte queda na demanda durante a pandemia de coronavírus e pela disputa entre os países membros da Opep+.

Após as fracassadas negociações entre os países da Opep, junto à Rússia, acerca de um possível corte na produção diária de petróleo, dada a queda na demanda pela commodity, no começo de março, a cotação do barril Brent chegou a apresentar uma queda diária do mesmo patamar que durante a Guerra do Golfo, ocorrida entre 1990 e 1991, de 31%.

A Petrobras (PETR4) informou, em comunicado, na última quarta-feira (1), que decidiu reduzir sua produção de petróleo e os custos em razão da diminuição da demanda por combustíveis, ocasionada pela pandemia.

Saiba mais: Entenda a atual crise do petróleo e seu impacto no mercado

A estatal petroleira comunicou que, a partir desta quarta, a produção de petróleo passa a ter um corte de 200 mil barris diários. O volume considera também a diminuição anunciada na última quinta-feira (26).

“Para definição dos campos que terão sua produção diminuída, a Petrobras levará em consideração condições mercadológicas e operacionais. A duração da restrição, assim como potenciais aumentos ou diminuições, será continuamente avaliada”, informou a Petrobras.

MP trabalhista

A Medida Provisória (MP) que autoriza a redução de salários na mesma proporção do corte da jornada de trabalho, anunciada pelo governo na última quarta-feira, já está em vigor.

A MP, no entanto, precisa ser votada no Congresso em até 120 dias, se não, perde a validade. A medida foi tomada como forma de combate aos efeitos do novo coronavírus (Covid-19) na economia.

Bolsa em queda livre!? Aproveita as maiores oportunidades da bolsa brasileira com nosso acesso Suno Premium

De acordo com o governo, o custo da MP, por meio da compensação da renda dos trabalhadores, será de R$ 51 bilhões e deve alcançar cerca de 24,5 milhões de trabalhadores, evitando a demissão de 8,5 milhões. O texto prevê a redução de 25%, 50% ou 70% do salário, ou até a suspensão total dos contratos de trabalho.

Outros percentuais de cortes salariais podem ser estabelecidos por meio de acordos coletivos.

“Nós estamos nos comprometendo com todos. Literalmente, todos. E com isso estamos evitando mais de 12 milhões de desempregados no Brasil. Esse é o compromisso do governo de tutelar mais de 25 milhões de pessoas”, afirmou o secretário especial de Previdência e Trabalho, Bruno Bianco.

Altas e baixas do Ibovespa

Bolsas no exterior

Além do Ibovespa, confira o desempenho dos principais índices acionários no exterior por volta das 10h15 desta quinta-feira:

  • Londres (FTSE 100): -0,72%
  • Frankfurt (DAX 30): -0,99%
  • Paris (CAC 40): -0,27%
  • Milão (FTSE/MIB): -0,27%
  • Xangai (SSEC): +1,69%
  • Tóquio (Nikkei 225): -1,37%
  • Nova York (S&P 500) futuro: -0,67%

Última cotação

Na última sessão, quarta-feira, o Ibovespa encerrou em queda de 2,81%, a 70.966,703 pontos.

Telegram Suno

Compartilhe a sua opinião

Jader Lazarini
Jader Lazarini escreve sobre mercado financeiro, política e economia para o portal de notícias da Suno Research. Anteriormente, trabalhou na Unidas. Estuda Relações Internacionais na Universidade Anhembi Morumbi.