Negócios

Ibovespa abre em alta após divulgação do IPCA e venda da Liquigás

0

O Ibovespa abriu esta quinta-feira (7) em alta, revertendo a queda da última quarta-feira (6) após o leilão da cessão onerosa.

Por volta das 10h15, o Ibovespa registrava variação positiva de 0,60% alcançando 109.008,48 pontos. Nesta quinta, o mercado está de olho na divulgação do IPCA para outubro.

Além disso, os investidores estão atentos à venda da Liquigás pela Petrobras (PETR3; PETR4), que oferta cinco blocos do pré-sal, e nos recentes resultados corporativos.

IPCA

O IPCA do mês de outubro ficou em 0,10%, representando a menor taxa para o mês desde 1998. Naquele mês, a inflação foi de 0,02%. As informações foram divulgadas pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) nesta quinta-feira (7).

Em outubro do ano passado, o resultado tinha sido de 0,45%. No entanto, em setembro deste ano, o IPCA reportou uma deflação 0,04%. No acumulado dos últimos 12 meses, o indicador relevou que a inflação, em média, foi de 2,54%.

Três dos nove grupos estudados apresentaram uma deflação em suas taxas. Foram eles Habitação (-0,61%), Artigos de Residência (-0,09%) e Comunicação (-0,01%).

Já no Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC), a leitura de 0,04% no mês de outubro representa o menor resultado para o mês desde a implementação do Plano Real.

Liquigás

A Petrobras anunciou a venda da Liquigás por R$ 3,7 bilhões na manhã desta quinta-feira (7). A petroleira teria recebido três ofertas pela sua subsidiária distribuidora de gás liquefeito de petróleo. Entretanto quem conseguiu fazer a aquisição da companhia foi o consórcio Copagaz/Itaúsa (ITSA4).

Confira: Campos Neto diz que crescimento econômico será mais eficiente e duradouro

A negociação será avaliada pelos órgão competentes da empresa. De acordo com a estatal petroleira, a operação está “alinhada à otimização do portfólio e à melhoria de alocação do capital da companhia, visando à geração de valor para os nossos acionistas”.

Resultados trimestrais

Banco do Brasil

O Banco do Brasil (BBAS3) registrou um lucro líquido ajustado de R$ 4,543 bilhões no trimestre entre julho e setembro deste ano. O resultado foi 33,5% maior do que o do mesmo período do ano passado.

Em comparação ao segundo trimestre deste ano, o avanço foi de 2,5%. O lucro líquido contábil chegou a R$ 4,253 bilhões, uma alta de 34% ante o mesmo período de 2018.

Movida

Já a Movida (MOVI3) divulgou o seu balanço trimestral na noite da última quarta-feira (6). O lucro líquido atingido foi de R$ 60 milhões, uma alta de 46% na comparação com o mesmo período de 2018.

A dívida líquida/patrimônio líquido, no intervalo de julho a setembro deste ano, chegou a 0,7x. Já a dívida líquida, que no final de setembro estava R$ 1,52 bilhão, quando dividida pelo Ebitda, apresenta, nos últimos 12 meses, o indicador de 2,3x.

IRB Brasil

O IRB Brasil (IBBR3) reportou um lucro de R$ 329,5 milhões no terceiro trimestre deste ano. Esse valor representa uma alta de 28,9% em comparação com o mesmo período no ano passado.

Saiba mais: Wiz reporta o lucro líquido de R$ 62,3 milhões no 3º trimestre

A rentabilidade sobre o patrimônio líquido no 3T19 foi de 37%, representando um aumento de 3,7 pontos percentuais. Por sua vez, o resultado financeiro consolidado somou R$ 239,4 milhões.

Banco Inter

O Banco Inter (BIDI11) registrou um lucro de R$ 11,8 milhões entre julho e setembro. No período de janeiro a setembro, o banco digital acumulou R$ 56,8 milhões em 2019, elevando 19,6% em comparação aos mesmos nove meses em 2018.

O resultado operacional no terceiro trimestre foi de R$ 12,813 milhões, em alta em relação ao trimestre anterior, quando tinha sido de R$ 5,806 milhões. No terceiro trimestre do ano passado esse resultado tinha sido de R$ 31,757 milhões.

Última cotação do Ibovespa

Na última sessão, quarta-feira (6), o Ibovespa encerrou em queda de -0,35%, atingindo 108.338,133 pontos.

Compartilhe a sua opinião

Jader Lazarini
Jader Lazarini escreve sobre mercado financeiro, política e economia para o portal de notícias da Suno Research. Anteriormente, trabalhou na Unidas. Estuda Relações Internacionais na Universidade Anhembi Morumbi.