Mercado

Ibovespa fecha em alta com investidores de olho nas contas públicas

0

O Ibovespa fechou em alta de 1,53% nesta terça-feira (11), em 98.960 pontos. O andamento positivo foi impulsionado principalmente pela alta das commodities, com o minério de ferro que disparou 6%. Um crescimento expressivo gerado pela decisão do governo da China de financiar grandes projetos infraestruturais para estimular a economia.

O Ibovespa também reagiu positivamente a calendarização da apresentação do parecer sobre a reforma da Previdência e a autorização do Congresso Nacional de um crédito adicional para o governo

Crédito adicional

A Comissão Mista de Orçamento (CMO) do Congresso Nacional aprovou nesta terça o crédito extra de R$ 248,9 bilhões. A liberação desses valores adicionais para o governo estava prevista em um projeto de lei que autoriza a emissão de títulos do Tesouro Nacional.

A aprovação ocorreu após um acordo entre os partidos políticos do Congresso Nacional alcançado após duas horas de negociação. A votação na CMO ocorreu após o governo ceder a algumas demandas de diferentes partidos, incluindo de oposição. Em contrapartida, os parlamentares concordaram em não obstruir os trabalhos da comissão.

Saiba mais: Congresso aprova crédito extra para o governo de R$ 248,9 bilhões 

A previsão é de que o projeto de lei seja analisado ainda nesta tarde em uma sessão conjunta do Congresso Nacional.

Segundo o projeto aprovado, o governo do presidente Jair Bolsonaro poderá contrair dívidas para pagar despesas correntes, como salários e benefícios sociais. Despesas que poderão ser realizadas sem descumprir a chamada “regra de ouro“.

Reforma da Previdência

O mercado também reagiu positivamente a apresentação do parecer do relator da reforma da Previdência da Câmara, Samuel Moreira, na comissão especial na próxima quinta-feira.

Saiba Mais: Parecer da reforma da Previdência é adiado para quinta-feira

“A ideia é essa [apresentar o parecer na quinta-feira]. Vamos conversar com os governadores na terça-feira (11), vamos procurar ouvi-los. É importante ouvi-los, fazer esforço para isso. Isso amplia o número de deputados em torno do relatório em torno da reforma, isso vai melhorar bastante [o apoio]”, disse Moreira.

Castello Branco critica monopólio da Petrobras

O presidente da Petrobras, Roberto Castello Branco, declarou nesta terçaque o monopólio da estatal petrolífera é inaceitável. O executivo indicou a venda de refinarias da estatal como forma de aumentar a concorrência no mercado.

Saiba mais: Petrobras recebe R$ 265 milhões da Braskem em acordo de leniência

Segundo Castello Branco, a Petrobras detém 98% do mercado de refino brasileiro. Ele declarou que, em consequência disso, o País vive situações absurdas. O presidente da estatal discursou durante uma audiência pública na Câmara dos Deputados.

Bolsa chega a 1,1 milhão de pessoas físicas

A Bolsa de Valores de São Paulo informou que o número de investidores pessoas físicas em maio superou 1,1 milhão.

Em abril, a Bolsa de Valores de São Paulo (B3) tinha superado a marca histórica de 1 milhão de investidores pessoas físicas. Em março a B3 contava com 982 mil investidores desse tipo, enquanto em abril, passou para 1.046.244 cadastros de pessoas físicas. Já em maio, o número de investidores foi de 1.122.476, uma variação de 4,8% em relação ao mês anterior.

No entanto, mesmo com a nova alta registrada no mês de abril, o número de cadastros físicos feitos por investidores na Bolsa de Valores de São Paulo segue bem abaixo do espero pelo presidente da Bovespa, Edemir Pinto, que estimava 5 milhões de investidores neste ano.

Além disso, durante o mês de maio, o giro de mercado acionário doméstico atingiu R$ 15 bilhões, uma alta de 5,8% na comparação anual, dando a B3 uma receita 26% maior por contrato.

Última cotação

Na última sessão, que ocorreu na segunda-feira (10), o Ibovespa encerrou em queda de 0,36% com 97.466,69 pontos.

Compartilhe a sua opinião

Carlo Cauti
Editor-chefe da SUNO Notícias. Formado em Ciências Políticas pela universidade LUISS G. Carli de Roma e mestre cum laude em Relações Internacionais, Jornalismo Internacional e de Guerra e em Economia Internacional. No Brasil, teve passagem por veículos de comunicação como O Estado de S.Paulo, G1, Veja e EXAME. Também trabalhou nas agências de notícias italianas ANSA e NOVA.