Ibovespa abre estável com prévia do PIB e possível recessão no radar

Ibovespa abre estável com prévia do PIB e possível recessão no radar
O Ibovespa abriu em queda nesta quinta-feira, de olho no envio da proposta da reforma administrativa pelo governo ao Congresso.

O Ibovespa inicia esta sexta-feira (14) estável com o indicador de prévia do PIB do Brasil apontando uma recessão técnica no segundo trimestre deste ano.

lead suno imagem ilustrativa

Receba as principais notícias do mercado diariamente.

Receba Grátis conteúdo exclusivo sobre Poupança, Ações, Economia e muito mais!

Parabéns! cadastro feitocom sucesso.

lead suno background

Por volta das 10h05, o Ibovespa operava em leve alta 0,07%, alcançando 100.534,95 pontos. O Banco Central indicou uma retração de 10,9% na economia brasileira no período de abril a junho de 2020.

Além disso, segue no radar dos investidores, a fala do Bolsonaro de que existe a possibilidade de furar o teto de gastos, a “nova CPMF” que deverá ser mais ampla que a antiga ao bolso do brasileiro, mercado internacional que teme uma segunda onda do coronavírus e os destaques do mercado hoje.

Conheça o Suno One, a central gratuita de informações da Suno para quem quer aprender a investir. Acesse clicando aqui.

Prévia do PIB

O IBC-Br, a prévia do Produto Interno Bruto (PIB) do Brasil, registrou uma queda de 10,94% no segundo trimestre deste ano. As informações foram divulgadas nesta sexta-feira pelo Banco Central (BC).

No primeiro trimestre a economia brasileira registrou uma retração de 1,5%, dessa forma, se a prévia do PIB para o segundo trimestre for confirmada serão dois períodos consecutivos de baixa, o que caracteriza tecnicamente uma recessão econômica.

Por sua vez, o IBC-Br registrou alta de 4,89% em junho em relação maio. Na comparação com o mesmo período no ano passado, o indicador teve queda de 7,05%.

Bolsonaro abraça ideia de furar teto de gasto

O presidente da República, Jair Bolsonaro, declarou nesta na noite da última quinta-feira (13) que o Brasil pode furar teto de gastos públicos em casos de emergência, tal como na pandemia de covid-19.

A fala do mandatário, durante live nas redes sociais, acontece apenas um dia depois do próprio defender em sua conta oficial o comprometimento com a disciplina e responsabilidade fiscal. Bolsonaro ainda pediu a compreensão do mercado e “patriotismo” no caso de estourar o teto de gastos.

“A ideia de furar teto existe, o pessoal debate. Qual é o problema? Na pandemia, temos a PEC de Guerra. ‘Presidente, nós já furamos o teto em mais ou menos R$ 700 bilhões, dá para furar mais R$ 20 bilhões?’ Qual a justificativa? Se for para [enfrentar o] vírus, não tem problema nenhum”, comunicou o presidente.

O mandatário brasileiro ainda pediu um tempinho e uma dose de patriotismo ao mercado. “Tem que dar um tempinho também. Um pouquinho de patriotismo não faz mal a eles”, afirmou.

Nova CPMF será mais ampla que a antiga

O novo tributo sobre as transações financeiras proposto pelo governo, conhecido no congresso como a “nova CPMF”, vai incidir sobre saques em dinheiro. O Ministério da Economia poderá propor também a cobrança em transações interbancárias, investimentos e até operações entre contas de mesma titularidade, algo que era isento enquanto vigorava a CPMF.

O modelo do novo tributo está sendo estudado, o objetivo é aumentar a arrecadação do governo para diminuir o rombo fiscal.  Nos bastidores, segundo a reportagem da Folha de S.Paulo, pessoas ligadas ao ministro falam sobre o tributo como “novo antigo imposto”.

Destaques do mercado

Oi (OIBR3; OIBR4): a companhia reportou um prejuízo de R$ 3,493 bilhões no segundo trimestre deste ano. O prejuízo foi 104,4% maior do que o apresentado no mesmo período de 2019.

B2W (BTOW3) : a empresa teve um prejuízo líquido de R$ 74,6 milhões no segundo trimestre de 2020. O prejuízo é 41,5% menor do que o apresentado no mesmo período de 2019, quando a empresa registrou R$ 127,6 milhões negativos.

Suzano (SUZB3): a gigante da celulose registrou um prejuízo de R$ 2,052 bilhões no período, revertendo um lucro líquido de R$ 699 milhões no segundo trimestre de 2019.

Mercado internacional

No exterior, a possibilidade da segunda onda de contágios do novo vírus faz os indicadores operarem em campo negativo. Por volta das 7h40, os índices futuros registravam:

  • Nova York (S&P 500): -0,33%
  • Nova York (Dow Jones): -0,13%
  • Nova York (Nasdaq): -0,49%
  • Londres (FTSE 100): -2,10%
  • Frankfurt (DAX 30): -1,27%
  • Paris (CAC 40): – 2%

Por sua vez, a Ásia encerrou o pregão em campo distinto.

Maiores altas e baixas

Altas:

Baixas:

Última cotação do Ibovespa

Na última sessão, quinta-feira, o Ibovespa encerrou o pregão em leve queda de 0,06%, cotado a 102.117,79 pontos.

Poliana Santos

Compartilhe sua opinião