Hypera (HYPE3) fecha acordo por naming rights do estádio do Corinthians

Hypera (HYPE3) fecha acordo por naming rights do estádio do Corinthians
O valor pago pela Hypera para o naming rights será de R$ 300 milhões, divididos em 20 anos.

A Hypera Pharma (HYPE3) chegou a um acordo para estampar o nome de uma de suas marcas no estádio do Corinthians. O empreendimento, inaugurado em 2014 para sediar a abertura da Copa do Mundo, passará a ser chamado de Neo Química Arena.

lead suno imagem ilustrativa

Receba as principais notícias do mercado diariamente.

Receba Grátis conteúdo exclusivo sobre Poupança, Ações, Economia e muito mais!

Parabéns! Cadastro feito com sucesso.

Ops! Algo deu errado. Tente novamente.

lead suno background

O valor pago pelo naming rights será de R$ 300 milhões, divididos em 20 anos. O montante, que poderá ser acrescido com “gatilhos”, ou seja, metas comerciais entre as partes, será pago em parcelas anuais de igual valor, de acordo com um comunicado ao mercado publicado pela Hypera.

O presidente do Corinthians, Andrés Sanchez, dará uma entrevista coletiva às 11h30 desta terça-feira (1), quando passará mais detalhes sobre a negociação. O anúncio foi realizado nesta madrugada, em evento na Arena localizada em Itaquera, na Zona Leste de São Paulo, junto ao CEO da Hypera, Breno de Oliveira.

Suno One: acesse gratuitamente eBooks, Minicursos, Artigos e Video Aulas sobre investimentos com um único cadastro. Clique para saber mais!

O evento foi marcado para esta terça-feira pois é a data em que o clube paulista completa 110 anos de história. O anúncio da construção do estádio foi realizado exatamente há 10 anos, quando o time chegava a seu centenário. Desde então, o também presidente do Corinthians à época, Sanchez, prometeu por diversas vezes chegar a um acordo pelo naming rights. Inicialmente, a pedida era por R$ 400 milhões.

O valor será destinado inteiramente para o abatimento da dívida do clube para com os credores que participaram da construção do estádio. O clube alega dever cerca de R$ 487 milhões à Caixa Econômica Federal, enquanto a estatal diz que o valor está na casa dos R$ 536 milhões. A dívida com a construtora Odebrecht, que está em recuperação judicial, também está em processo de ajuste.

O que são naming rights?

O processo de adquirir o direito de uso do nome de algum empreendimento, principalmente ligado aos esportes, é comum nos Estados Unidos, com base na viabilidade comercial do espaço. Dois dos maiores exemplos atuais são do AT&T Stadium, do Dallas Cowboys, time de futebol americano, e da Chase Center, do Golden State Warriors, da NBA, liga profissional de basquete.

Aqui no Brasil, no entanto, ainda é raro. Um dos poucos casos registrados é o do Palmeiras, que vendeu o naming rights de seu estádio para a Allianz Seguros por R$ 300 milhões, em 2013, para o direito durante 20 anos. O estádio passou a se chamar Allianz Parque. Recentemente, o Atlético Mineiro entrou em acordo com a construtora MRV (MRVE3) para o pagamento de R$ 60 milhões para o direto por 10 anos; o estádio ainda está em construção.

Hypera e Neo Química

Ainda enquanto Hypermarcas, a Hypera comprou a Neo Química por R$ 1,3 bilhão em 2008, criando, à época, o terceiro maior laboratório de capital brasileiro e o quarto maior em operação no país. Já em 2018, a companhia passou a se chamar Hypera Pharma, com o objetivo de “destacar o foco exclusivo no mercado farmacêutico”. A companhia detém marcas como Engov, Benegrip e Coristina d.

Vale ressaltar que a companhia já foi parceira do Corinthians no início da década de 2010. A própria Neo Química estampou o patrocínio máster na camisa do clube. O valor pago à época era sem precedentes para um patrocínio desta natureza.

A Hypera, ainda com seu antigo nome, chegou a Bolsa de Valores de São Paulo (B3) em 2008. Deste então, os papéis da empresa já se valorizaram cerca de 90%, sendo cotados atualmente a R$ 31,65. O valor de mercado da companhia é de R$ 20 bilhões.

Jader Lazarini

Compartilhe sua opinião