Negócios

Huawei passa a operar 5G na Rússia

0

Enquanto os Estados Unidos acusa a Huawei de espionagem e impõe sanções, a Rússia se demonstra completamente adepta da companhia de tecnologia chinesa.

Em junho deste ano, após a classificação da empresa chinesa na lista negra de Donald Trump, o país russo assinou acordo com a companhia para o desenvolvimento do 5G. Este mês, a Huawei abriu na capital da Rússia, Moscou, sua primeira zona de testes da nova tecnologia.

“Trabalhamos na Rússia há 22 anos e, especialmente graças à confiança de nossos queridos parceiros, vivemos bem aqui”, disse o chefe da filial russa da Huawei, Zhao Lei. Além disso, Lei informou que há planos de serem líderes no desenvolvimento do 6G.

O campo de atuação da Huawei na Rússia é amplo. De acordo com o jornal russo “Vedomosti”, a empresa chinesa emprega 400 pessoas em Moscou e 150 em São Petersburgo. Ademais, pretende contratar mais 500 até o final deste ano e 1.000 nos próximos cinco anos.

“As operadoras russas estão colaborando com vários fabricantes de 5G, incluindo a Huawei, então não vemos nenhum ‘líder’ claro para a implantação de 5G na Rússia”, disse a analista da Fitch Solutions, Michaela Landoni.

Segundo a analista, as operadoras tem preferência por essa “abordagem para evitar depender totalmente de um provedor específico”. Ledoni avalia que dessa forma é garantido a “melhor proteção contra ameaças cibernéticas.

Trump x Huawei

O presidente americano classificou no dia 15 de maio a Huawei em sua lista negra. Desse modo a empresa chinesa não poderia mais comprar tecnologia americana sem a permissão do governo. De acordo com Trump, a medida foi imposta por conta do envolvimento da companhia em atividades contrária à segurança nacional.

Com as sanções impostas pelo governo americano, a Huawei não tem mais acesso aos aplicativos do Google. Dessa forma, urgentemente, a empresa tem investido cerca de US$ 1,5 bi em novos desenvolvedores de softwares para seu novos smartphones.

Confira Também: Oi testará rede 5G com tecnologia Huawei durante Rock in Rio

No entanto, apesar de não possuir acesso ao Google, e as tarifas impostas como consequência da guerra comercial, a chinesa sai à frente da norte-americana no mercado chinês

A Apple deixou de ser uma das marcas preferidas do público da China. A disputa comercial fez a companhia norte-americana despencar da 11ª posição para o 24º lugar dentre as 50 principais marcas do mercado chinês, segundo a consultoria Prophet.

A queda da empresa norte-americana se torna mais significativa quando viu a sua concorrente, especialmente no mercado asiático, a gigante Huawei, subir da 4ª para a 2ª posição, se tornando a sétima empresa a ocupar o top 10 do estudo.

Compartilhe a sua opinião

Poliana Santos
Poliana Santos escreve sobre economia e política para o portal Suno Notícias. Antes, colaborou na Rádio Gazeta AM, onde era responsável pela produção do programa Bom Dia Gazeta. É estudante da Faculdade Cásper Líbero.