Huawei: Receita cresce 9,9% nos nove primeiros meses de 2020

Huawei: Receita cresce 9,9% nos nove primeiros meses de 2020
Huawei espera restabelecer relações com EUA após eleição de Biden

A Huawei Technologies apresentou seus resultados nesta sexta-feira (23). A companhia chinesa registrou alta de  9,9% na receita no acumulado do ano até setembro, em comparação com o mesmo período de 2019, para 671,3 bilhões de iuanes, equivalente a US$ 100,4 bilhões. Segundo a Reuters, no terceiro trimestre a receita cresceu 3,7% para 217,3 bilhões de iuanes, mesmo com as restrições impostas pelos EUA e o impacto da pandemia de coronavírus em seus negócios.

lead suno imagem ilustrativa

Receba as principais notícias do mercado diariamente.

Receba Grátis conteúdo exclusivo sobre Poupança, Ações, Economia e muito mais!

Parabéns! Cadastro feito com sucesso.

Ops! Algo deu errado. Tente novamente.

lead suno background

A companhia divulgou os números um dia após anunciar seu mais novo smartphone “carro-chefe” (Mate 40 Pro), que utiliza uma versão “limitada” do Android, já que não pode contar com a loja de aplicativos do Google e outras funcionalidades procedentes dos EUA.

A margem de lucro líquido de janeiro a setembro foi de 8,0%, contra 8,7% no mesmo período de 2019, informou a Huawei.

Conheça o Suno One, a central gratuita de informações da Suno para quem quer aprender a investir. Acesse clicando aqui.

Proibição de países à Huawei

Além dos imbróglios relação aos Estados Unidos, a Huawei também foi proibida, nesta semana, de ter acesso à rede 5G na Suécia.

A agência regulatória de telecomunicações da Suécia informou que seguiu as recomendações das Forças Armadas e dos serviços de segurança do país europeu para tomar a decisão de banir a Huawei e a ZTE (outra chinesa) antes dos leilões para a rede 5G que serão realizados no mês que vem.

As preocupações do governo sueco seriam acerca de potenciais espionagens das empresas e do “roubo de tecnologia” por parte de Pequim.

Por outro lado, os EUA pressionam a companhia chinesa para que ela não participe, também, do leilão de 5G no Brasil.

“Especialmente se vocês tiverem a Huawei na sua rede 5G, haverá ‘backdoors’ e a capacidade de decifrar quase todos os dados que são gerados em qualquer lugar do Brasil, seja pelo governo, na frente de segurança nacional, seja por empresas privadas em suas habilidades de inovar e desenvolver novos produtos, técnicas e práticas”, disse o conselheiro de Segurança Nacional dos Estados Unidos, Robert O’Brien, nesta semana.

Em resposta ao pronunciamento norte-americano desta semana sobre a empresa, a Huawei declarou na última terça-feira (20) nunca ter vivenciado “nenhum grande incidente relacionado à segurança cibernética” entre os 170 países em que a empresa possui operações nas últimas décadas.

O presidente da República, Jair Bolsonaro, ainda estuda se irá banir a Huawei de fornecer equipamentos para rede 5G, cujo leilão entre as operadoras telefônicas deve ocorrer no segundo trimestre do ano que vem.

Juliano Passaro

Compartilhe sua opinião