Mercado

Honda deve reabrir fábrica que ficou fechada por três anos

0

Após permanecer três anos fechada por conta da recessão econômica, a fábrica da Honda em Itirapina, interior de São Paulo, deve ser reaberta.

Apesar da expectativa de gerar empregos, inicialmente a fábrica da Honda irá empregar apenas 200 funcionários, todos remanejados de sua fábrica em Sumaré.

Saiba mais: Confiança da indústria cresce 0,2 ponto em dezembro, diz FGV

A cidade de Itirapina possui 17 mil habitantes.

Segundo o presidente da Honda, Issao Mizoguchi, o custo de manter a fábrica fechada é oneroso. A solução encontrada foi transferir toda a linha de carros para Itirapina e manter Sumaré com a produção de componentes, como motores e estamparias.

Além disso, quando confirmou a segunda fábrica, em agosto de 2013, a Honda pretendia dobrar a produção de veículos no País. Porém, a meta foi adiada por conta da recessão.

Saiba mais: Quais setores econômicos podem impulsionar a economia brasileira em 2019

Apenas a linha Fit deve ser produzida, com um turno de trabalhadores, empregando cerca de 500 funcionários, informa Mizoguchi. Em 2021, os demais modelos da marca, Civic, City, HR-V e WR-V, chegaram à fábrica.

Empregos

O número baixo de contratações reflete a cautela da japonesa em empregar e investir no País.

Entre 2015 e 2016, a Honda havia anunciado um potencial de abertura de 2 mil vagas de empregos quando a fábrica estivesse operando em sua plena capacidade.

No total, as montadoras em atividade no Brasil empregam 111,7 mil funcionários. A produção deve ser de aproximadamente 3 milhões de veículos.

Ademais, de 2014 a 2016, o setor fechou 30,9 mil vagas. Cerca de sete mil postos de trabalhos, entretanto, foram gerados nos dois anos de recuperação.

Além disso,  a produção de 2018 teve um acréscimo de 340 mil veículos em comparação com 2017.

Compartilhe a sua opinião

Renan Dantas
Escreve sobre política e mercado financeiro para o portal Suno Notícias. Antes, atuou na assessoria de comunicação do Ministério Público do Trabalho e na Rádio Mackenzie, onde apresentava e produzia um programa sobre artistas da música brasileira. É estudante na Universidade Presbiteriana Mackenzie.