Negócios

Helbor planeja levantar até R$ 557,9 milhões em follow-on

0

A construtora Helbor (HBOR3) anunciou nesta segunda-feira (30) que foi aprovada a sua oferta subsequente de ações (follow-on). Na última sexta-feira (27), o Conselho de Administração da companhia autorizou a distribuição primária de, inicialmente, 156.550.000 ações ordinárias (ON).

O preço das ações na oferta ainda não foi definido pela Helbor, que deve ser estabelecido somente após a conclusão do processo de captação das intenções de investimento. O preço fixado deverá ser divulgado em 10 de outubro, e o início de negociação das novas ações será em 14 de outubro.

Helbor visa a captação de recursos para expandir obras

Segundo a companhia, baseado no preço de fechamento dos papéis da Helbor na última sexta (27), o montante total da oferta restrita seria aproximadamente R$ 413,3 milhões. Entretanto, caso sejam consideradas as 54.792.500 ações adicionais, esse valor pode subir para R$ 557,9 milhões.

O custo da operação, segundo a construtora, é de R$ 20,4 milhões, desconsiderando as ações adicionais. Quem está coordenando o processo são os seguintes bancos:

  • BTG Pactual (BPAC11)
  • Itaú BBA
  • Bradesco BBI

O objetivo da oferta, segundo a Helbor, é captar recursos para fomentar o lançamento de novos empreendimento, incluindo a aquisição de novos terrenos.

Confira: BNDES pode perder até R$ 14 bilhões com financiamento à Odebrecht

Fundada em 1977, a Helbor é uma das principais incorporadoras imobiliárias do Brasil. Isso faz da construtora uma das líderes em comercialização de unidades, além do gerenciamento do desenvolvimento do empreendimento desde a compra do terreno até a conclusão da obra.

A companhia possui cerca de 228 projetos, somando mais de seis milhões de metros quadrados. Além disso, possui 30 mil unidades em 10 estados brasileiros, mais o Distrito Federal.

Veja também: Light fará oferta de R$ 1 bilhão em debêntures para refinanciar dívidas

Ao final do pregão da última sexta (27), as ações ordinárias da Helbor apresentaram queda de 4,35%, sendo negociadas a R$ 2,64. Nos últimos 12 meses, entretanto, os papéis da construtora já reportaram uma valorização de 153,85%.

Compartilhe a sua opinião

Jader Lazarini
Jader Lazarini escreve sobre mercado financeiro, política e economia para o portal de notícias da Suno Research. Anteriormente, trabalhou na Unidas. Estuda Relações Internacionais na Universidade Anhembi Morumbi.