Governo espera aprovar reforma tributária ainda neste ano, diz secretário

Governo espera aprovar reforma tributária ainda neste ano, diz secretário
O secretário afirmou que fará “tudo que estiver ao nosso alcance" para aprovar a reforma tributária este ano

O secretário especial da Receita Federal, José Tostes Neto, informou nesta sexta-feira (7) que a expectativa do governo federal é trabalhar em conjunto com o Congresso para aprovar a reforma tributária ainda neste ano.

lead suno imagem ilustrativa

Receba as principais notícias do mercado diariamente.

Receba Grátis conteúdo exclusivo sobre Poupança, Ações, Economia e muito mais!

Parabéns! cadastro feitocom sucesso.

lead suno background

Apesar disso, Tostes não deu maiores detalhes sobre a data de envio das demais páginas da reforma tributária do governo ao Parlamento. O ministério da Economia, Paulo Guedes, entregou apenas a primeira parte do texto, que inclui a proposta de unificação de PIS e Cofins, dois impostos federais sobre o consumo de bens e serviços, para a criação de um imposto sobre valor agregado (IVA).

“O cronograma de encaminhamento das propostas está sendo avaliado e é uma decisão do ministro o momento em que ele considerar apropriado e adequado, e sobretudo resultante também do diálogo que nós já iniciamos com a comissão mista”, afirmou o secretário especial, em live organizada pelo site Congresso em Foco.

No Suno One você aprende a fazer seu dinheiro trabalhar para você. Cadastre-se gratuitamente agora!

“Tudo que estiver ao nosso alcance para tentar viabilizar aprovação neste ano será feito”, acrescentou.

Há vontade para convergir na proposta de reforma, diz secretário

Tostes reconheceu o desafio para a implementação de um imposto de valor agregado para todo o Brasil, contemplando também tributos estaduais e municipais, é grande. O secretário, no entanto, entende há disposição e vontade para convergir na proposta.

A alíquota foi calibrada para abarcar outras mudanças presentes no texto do Executivo, que acabam reduzindo a base do futuro tributo, como o aproveitamento amplo dos créditos, a restrição da incidência apenas sobre receita bruta e não mais sobre receita total e a exclusão do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) e Imposto Sobre Serviços (ISS) da base de cálculo da contribuição, afirmou Tostes.

No que tange ao imposto nacional, resultante da agregação de todos os tributos sobre o consumo nos três níveis de governo, o secretário sinalizou que não é possível enxergar uma alíquota pequena. Isso ocorre devido à tributação do consumo no País, responsável por 45% da arrecadação e 15% do Produto Interno Bruto (PIB).

“Qualquer incidência que substitua todas essas outras para promover o mesmo nível de arrecadação não poderá ter alíquota baixa. Certamente a alíquota poderá ser até inviável, mas essa alíquota única que substitua todas as outras incidências sobre bens e serviços hoje existentes na verdade vai tornar transparente a carga tributária hoje que é cobrada de bens e serviços”, afirmou Tostes, se referindo a proposta de reforma tributária.

Arthur Guimarães

Compartilhe sua opinião