Negócios

Google anuncia serviço de conta-corrente nos Estados Unidos

0

O Google anunciou, na última quarta-feira (13), que oferecerá um serviço de conta-corrente para clientes nos Estados Unidos. A medida deverá ser lançada em 2020.

O projeto desenvolvido pelo Google é chamado de Cache. A plataforma contará com contas operadas pelo banco Citigroup e por uma cooperativa de crédito da Universidade de Stanford.

Apesar de o projeto ser desenvolvido pela gigante de tecnologia norte-americana, o vice-presidente de pagamentos da empresa, Caesar Sengupta, ressaltou que as marcas das instituições financeiras terão posição central nas contas.

“Nossa abordagem será fazer uma parceria profunda com bancos e o sistema financeiro”, afirmou Sengupta. “O caminho pode ser ligeiramente mais longo assim, mas será mais sustentável”, completou.

Além disso, a empresa ressaltou que não pretende vender os dados financeiros dos clientes para os anunciantes. A fiscalização e os detalhes financeiros serão gerenciados pelos bancos, de acordo com o vice-presidente de pagamentos.

“Se pudermos ajudar mais gente a fazer mais coisas de modo digital, isso será bom para a internet e para nós”, salientou Sengupta.

As principais concorrentes do Google também ingressaram no setor financeiro. A Apple lançou, neste ano, um cartão de crédito. O Facebook trabalha no desenvolvimento de uma moeda virtual. Ademais, a Amazon sinaliza há um tempo a intenção de abrir contas-correntes.

Cartão de débito na carteira digital do Google

No mês passado, a gigante norte-americana anunciou uma atualização para o Google Pay, o serviço de pagamentos digitais da companhia. Por meio da medida, os clientes foram habilitados a utilizar o cartão de crédito para comprar digitais.

Saiba mais: Google permitirá pagamentos com cartão de débito em carteira digital

No Brasil, em um primeiro momento, somente os cartões do Banco do Brasil, Bradesco, Itaú e Caixa foram aceitos na atualização. Além disso, a empresa estabeleceu parceria com as bandeiras Elo, Visa e Mastercard.

“A opção de pagamento foi desenvolvida especialmente para o mercado brasileiro, que tem uma baixa penetração de cartões de crédito — 50 milhões dos 210 milhões de brasileiros”, informou o Google.

Compartilhe a sua opinião

Giovanna Almeida
Giovanna Oliveira escreve sobre economia e política para o portal Suno Notícias. Antes, foi repórter do portal de jornalismo da ESPM-SP e produziu conteúdo para a Corinthians TV. É estudante da ESPM.