Goldman Sachs alerta para risco do dólar deixar posição de reserva global

Goldman Sachs alerta para risco do dólar deixar posição de reserva global
O dólar hoje fechou em queda a mínima desde o final de julho

O grupo financeiro estadunidense Goldman Sachs (NYSE: GS) alertou nesta terça-feira (28) sobre a possibilidade do dólar americano perder seu status de reserva global. O banco destacou que a principal razão seria a crescente preocupação com a inflação nos EUA.

Os estrategistas do Goldman Sachs acreditam que a política fiscal e monetária dos EUA está aumentando as preocupações do mercado quanto à possibilidade de desvalorização da moeda. Isso poderia acabar com o reinado do dólar como força dominante nos mercados globais de câmbio.

Vale lembrar que o Congresso norte-americano está atualmente negociando outra rodada de estímulos fiscais para sustentar a economia devastada pela pandemia. Ao mesmo tempo, o banco central dos EUA (Fed) já aumentou seu balanço patrimonial em cerca de US$ 2,8 trilhões (cerca de R$ 14,42 trilhões) somente neste ano.

Suno One: acesse gratuitamente eBooks, Minicursos, Artigos e Video Aulas sobre investimentos com um único cadastro. Clique para saber mais!

Os investidores globais temem que a atitude do Fed em relação à impressão de dólares desencadeie uma brusca inflação nos próximos anos. Esse temor faz com que investidores vendam os dólares e acumulem ouro.

“O ouro é a moeda de último recurso, particularmente em um ambiente como o atual, onde os governos estão desvalorizando suas moedas fiduciárias e empurrando as taxas de juros reais para mínimos históricos”, escreveram os estrategistas do Goldman. Agora existem, disseram eles, “preocupações reais com a longevidade do dólar americano como moeda de reserva“.

Saiba mais: Preço do ouro atinge novo recorde enquanto o valor do dólar diminui

A instituição financeira também destacou que a diferença entre a taxa de rendimento dos Treasuries” norte-americanos com maturidade de 10 anos e a inflação nos EUA subiu para cerca de 1,51%, passando dos 0,47% registrado em março. Os rendimentos reais, que eliminam o impacto da inflação, caem ainda mais abaixo de zero, para aproximadamente -0,92% em títulos com vencimento semelhante.

A expansão do balanço patrimonial “e a vasta criação de dinheiro provocam temores de desvalorização0”, escreveram os analistas da Goldman. Isso cria “uma maior probabilidade de que, em algum momento no futuro, depois que a atividade econômica se normalize, os bancos centrais e os governos permitirão que a inflação aumente para reduzir a carga acumulada da dívida“, disseram eles.

O recente rali recorde do ouro destaca a crescente preocupação do mercado acionário com a economia mundial. O Goldman elevou sua previsão de 12 meses para o ouro para US$ 2300 a onça, ante US$ 2000 a onça anteriormente. Isso se compara a um valor de cerca de US$ 1930 registrado atualmente. O banco vê as taxas de juros reais dos EUA continuarem caindo, impulsionando ainda mais o metal.

Goldman Sachs aposta em coroa da Noruega diante de dólar fraco

O Goldman Sachs informou também nesta semana que projeta uma queda ainda maior do dólar e que a melhor moeda a ser utilizada para explorar é a coroa da Noruega.

Saiba mais: GTI aposta em empresas ligadas a commodities e dólar para fugir da crise

Os estrategistas da instituição financeira, incluindo Zach Pandl, comunicaram aos clientes em nota que o dólar é um ativo de proteção supervalorizado e superposicionado. Para os especialistas, a moeda americana deve se enfraquecer frente possíveis notícias econômicas positivas de todo o mundo.

Daniel Guimarães

Compartilhe sua opinião