Gafisa (GFSA3) e Tecnisa (TCSA3) juntas (ainda) não empolga mercado

Gafisa (GFSA3) e Tecnisa (TCSA3) juntas (ainda) não empolga mercado
A Gafisa (GFAS3) informou ao mercado que seu conselho de administração aprovou a emissão de até R$ 117,5 milhões em debêntures. 

A investida da Gafisa (GFSA3) para uma possível fusão com a Tecnisa (TCSA3) não empolga os agentes do mercado financeiro dado os atuais termos. Nesta quinta-feira (24), o jornal “Valor Econômico” mostrou que a Gafisa segue tentando a aliança entre as companhias.

lead suno imagem ilustrativa

Receba as principais notícias do mercado diariamente.

Receba Grátis conteúdo exclusivo sobre Poupança, Ações, Economia e muito mais!

Parabéns! cadastro feitocom sucesso.

lead suno background

Para especialistas ouvidos pelo SUNO Notícias, ainda é cedo para entender quais serão os termos do negócio. De qualquer forma, tanto Gafisa quanto a Tecnisa não são estrelas do setor e, por isso, os ganhos devem ser reduzidos, apesar da opinião dos gestores da Gafisa.

“Em termos operacionais, é um pouco complexo pois são duas companhais que não são grandes referência em termos de eficiência. São companhias que vêm queimando caixa, a Gafisa fazendo aumento de capital de forma constante, então para falar que seria positivo para um ou outra é necessário entender os termos do acordo”, disse Henrique Esteter, analista da Guide.

Suno One: acesse gratuitamente eBooks, Minicursos, Artigos e Video Aulas sobre investimentos com um único cadastro. Clique para saber mais!

Para o analista, caso esse acordo dê certo, a Tecnisa tende a ser mais beneficiada que a Gafisa. “Normalmente, a empresa que está sendo adquirida costuma se aproveitar mais do processo. Por exemplo, os papéis de Unidas andaram mais que Localiza por mais que, no longo prazo, ambas vão se beneficiar da integração”, disse.

“Então, em teoria, a empresa incorporada tende a se beneficiar mais, mas o acordo já foi reprovado, ainda é necessário entender qual o próximo passo da Gafisa no negócio”, completou.

De acordo com o comunicado da Gafisa, a fusão traria “uma integração que pode levar a combinação de duas das maiores marcas do setor e como consequência criar uma empresa consolidada com grande potencial de valorização das ações, tendo em vista os atuais múltiplos de ambas empresas”.

Segundo a Gafisa, o negócio traria seis pontos principais em relação aos benefícios:

  • Criação da 2ª maior empresa de Real Estate do Brasil
  • Preparar para ter a Melhor Performance do Mercado
  • Sinergias empresariais expressivas, que geram resultados bem maiores para uma companhia
    com os esforços coletivos
  • Resultado de melhores práticas na integração entre as atividades de Incorporação, Construção, vendas e
    Propriedades
  • Criação de uma empresa com capacidade de lançamento entre R$ 2-3 bi anuais recorrentes em projetos com ciclo
    operacional mais curto, nos bairros mais consolidados das cidades de SP e RJ
  • Possibilidade de resultados consistentes, incremento de receita; margens brutas consistentes; com diluição e otimização de G&A; resultado líquido em linha com as melhores empresas do setor

Além disso, a Gafisa detalha que estoque de terrenos das incorporadoras têm potencial para cerca de R$ 5 bilhões e o o estoque de imóveis (unidades na planta, em obras e recém-construída) do novo grupo teria um valor consolidado de R$ 1,1 bilhão, sendo R$ 842 milhões da Gafisa e R$ 286 milhões da Tecnisa.

Os pontos, contudo, não convenceram os acionistas da Tecnisa.

Tecnisa não vê Gafisa com bons olhos

Os acionistas da Tecnica parecem não enxergar as vantagens de uma possível fusão da mesma forma que a Gafisa. Na última assembleia, com 45% dos acionistas da Tecnisa presentes, foi rejeitada a continuidade dos estudos para a possível fusão com a Gafisa.

De acordo com uma fonte próxima ao assunto, consultada pelo “Valor Econômico”, a Tecnisa espera que a mesma base de acionistas que votou com o controlador, na assembleia da semana passada, seja mantida em assembleia que ocorre nesta quinta-feira (24).

A Gafisa  ainda está tentando levar adiante o seu plano de fusão junto a Tecnisa. A companhia chegou a contratar o banco de investimentos Credit Suisse para começar uma “abordagem mais estruturada” dos acionistas da Tecnisa, buscando uma negociação amigável para a associação das duas empresas.

No final de agosto, a Gafisa reforçou a presença na Tecnisa. O Bergamo Fundo de Investimento Multimercado Crédito Privado, representante da Gafisa, informou que atingiu a participação acionária agregada de 3.848.458 ações ordinárias (ON) de emissão da companhia. O número corresponde a 5,23% do total das ações ordinárias emitidas pela Tecnisa.

Independente do resultado da assembleia desta quinta, as negociações entre Gafisa e Tecnisa terão novos capítulos. O mercado, ao que parece, ainda aguarda os termos em que o negócio poderá ser fechado. A ver.

Vinicius Pereira

Compartilhe sua opinião